Tamanho do texto

Advogados da ex-presidente voltaram a pedir que delações de João Santana e Mônica Moura sejam retiradas do processo sobre a campanha de 2014

Defesa de Dilma nega que tenha havido irregularidades durante a campanha eleitoral de 2014
Fabio Munhoz/ iG São Paulo
Defesa de Dilma nega que tenha havido irregularidades durante a campanha eleitoral de 2014

O advogado Flávio Caetano, que defende a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) na ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), disse nesta terça-feira (6) em sua sustentação na retomada do julgamento que não houve ilegalidade na campanha presidencial de 2014 e que, em relação ao processo original, “não há nenhuma acusação que pare de pé que possa levar à condenação da chapa Dilma-Temer”. Caetano rejeitou a tese da defesa de Temer que pede a separação da prestação de contas de Dilma de seu então vice.

Leia também: TSE inicia julgamento da chapa Dilma-Temer; acompanhe ao vivo

A defesa de Dilma argumentou que os depoimentos dos executivos da Odebrecht e dos publicitários João Santana e Mônica Moura, dados em investigações da Operação Lava Jato, devem ser desconsiderados pelo TSE pois “extrapolam” o objeto da denúncia analisada pela Corte Eleitoral. “Esse fatos, os depoimentos, extrapolam o objeto, violam o devir do processo legal”.

Segundo Caetano, dos 21 fatos apontados pelo PSDB na ação, apenas dois “merecem dedicação”: os serviços gráficos e de montagem de palanque da campanha.

“Esse dois temas foram assunto de mais de um ano de investigação, perícia, força tarefa, 17 testemunhas falaram e foi apresentado um laudo divergente. Se mostrou que as empresas de fato existem e que os serviços gráficos foram realizados e os serviços foram rigorosamente pagos”, sustentou o advogado.

Leia também: Equipe de Michel Temer se preocupa com surgimento de novos áudios

Para o defensor de Dilma , a ação movida pelo PSDB é fruto do “inconformismo do candidato derrotado”, referindo ao senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Flávio Caetano pediu que, caso haja cassação da chapa, seja determinada a realizada de eleição direta, sem possibilidade de que Aécio, segundo colocado na disputa de 2014, assuma o cargo.

Michel Temer

O advogado de Michel Temer, Marcos Vinicius Coelho, defendeu a manutenção do mandato do presidente. Segundo ele, o TSE não pode julgar acusações que não foram inseridas no início da tramitação da ação, que a princípio não citava as delações dos publicitários Mônica Moura e João Santana e de executivos da Odebrecht, firmadas no âmbito da Operação Lava Jato.

Leia também: Parecer diz que chapa Dilma-Temer recebeu R$ 112 mi de recursos irregulares

Segundo a defesa do presidente, nenhum delator disse que houve recursos ilegais na campanha de 2014, tampouco relacionaram Temer a condutas ilegais. “Ainda que se considerem tais fatos, a lei que trata da colaboração premiada diz que não pode haver condenação baseada apenas na palavra do colaborador, é preciso de prova de corroboração”. disse.


* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.