Tamanho do texto

Segundo advogados de Temer, não há motivos para que inquérito seja em conjunto; defesa também pede para que delator não seja Edson Fachin

Defesa de Michel Temer afirma que não há motivos para manter inquérito conjunto
Reprodução
Defesa de Michel Temer afirma que não há motivos para manter inquérito conjunto

A defesa do presidente Michel Temer (PMDB) solicitou nesta sexta-feira (26) que o inquérito contra ele seja separado das investigações do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Todos eles estão sendo investigados pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: Janot aponta "confissão" de Temer e pede autorização do STF para interrogá-lo

Os advogados de Michel Temer também apresentaram pedido de “livre distribuição” do inquérito, o que significaria, na prática, o repasse do caso a outro ministro da Corte, por meio de sorteio.

Segundo Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, que defende o presidente, os fatos narrados pelo empresário Joesley Batista em delação premiada sobre os três políticos não têm relação entre si.

No entanto, esse não é o entendimento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que pediu para que Temer e Rocha Loures fossem investigados juntos por conta da relação entre eles, já que o deputado seria o “homem de confiança” do presidente.

Para a defesa do presidente “os fatos em si teriam sido praticados em circunstâncias de tempo, de natureza e de lugar distintos, não se apresentando correlatos por nenhuma identidade de caráter objetivo ou subjetivo vinculados entre si, mostrando-se imperiosa, portanto, a separação do inquérito”, conforme registrado no pedido.

Leia também: Gilmar Mendes diz que STF poderá reavaliar acordo de delação da JBS

Outro ponto defendido é que uma investigação autônoma sobre Temer tramitaria mais rapidamente na Corte. “O desmembramento das investigações com relação ao Chefe do Poder Executivo – frise-se: maior interessado na cabal apuração dos fatos – se mostra imprescindível e adequada para que os trabalhos investigativos sejam ultimados com a máxima brevidade possível”, afirma a solicitação.

A solicitação ainda conclui que dessa forma estaria “garantindo a estabilidade da Nação e de todas as suas instituições”.

Histórico

O presidente é alvo das investigações do STF após ter uma conversa gravada por Joesley, usada como prova em seu acordo de delação premiada. Na conversa entre o proprietário da JBS e Temer, o peemedebista daria o aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), após sua prisão na Lava Jato.

No entanto, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência declara que Michel Temer “jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha”. “Não participou, nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar”, registra em nota.

Leia também: Lava Jato: Moro teve "coração generoso" ao absolver Cláudia Cruz, diz procurador

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.