Procurador-geral da República também quer ouvir Aécio e Rocha Loures; em pedido enviado a Fachin, Janot também defendeu validade das gravações entregues por Joesley Batista, uma vez que Temer não negou o encontro

Janot pediu autorização ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tomar o depoimento do presidente Michel Temer
Marcelo Camargo / Agência Brasil - 11.11.2016
Janot pediu autorização ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tomar o depoimento do presidente Michel Temer

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu autorização ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tomar o depoimento do presidente Michel Temer, do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), também afastado do mandato. As diligências foram solicitadas nos inquéritos a que os acusados respondem na Corte, a partir das delações da empresa JBS .

Na manifestação, enviada ao ministro Edson Fachin, relator do processo, Janot também defendeu a validade das gravações entregues pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, que gravou conversas com Temer, Aécio e Loures.

No caso do presidente, cuja defesa contestou a validade dos áudios, a PGR sustenta que Temer não negou o encontro com o empresário, no Palácio do Jaburu. O procurador citou os pronunciamentos feitos por Temer, na semana passada.

“Verifica-se que houve confissão espontânea quanto à existência do encontro não registrado no Palácio do Jaburu e do diálogo entre Michel Temer e Joesley Batista . Por outro lado, também há confissão espontânea nos pronunciamentos do presidente da República, dentre eles podemos citar o diálogo sobre possível corrupção de juízes; o diálogo sobre a relação de Joesley com Eduardo Cunha; o diálogo em que Michel Temer indica Rodrigo Loures para tratar com o colaborador Joesley Batista”, diz a petição.

Leia também: Rocha Loures devolve os R$ 35 mil que faltavam em mala de propina da JBS

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com a assessoria da Presidência da República e aguarda resposta. Os advogados de Rocha Loures e de Aécio Neves também foram procurados, mas não atenderam às ligações.

Gavações

No último dia 17, o jornal O Globo revelou que Joesley Batista gravou uma conversa com o presidente, na qual ele teria sugerido que se mantivesse uma boa relação com o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Para solucionar um problema da JBS, a pedido de Temer, o deputado Rodrigo Rocha Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil. De acordo com a reportagem, outra gravação feita por Batista informa que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), teria pedido R$ 2 milhões ao empresário.

No domingo (21), o  procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou à Polícia Federal uma série de questionamentos sobre as gravações feitas pelo dono do grupo JBS, Joesley Batista, antes de firmar a delação premiada que serviu de base para a abertura de inquérito contra o presidente. A defesa de Temer também enviou os chamados “quesitos” ao Supremo Tribunal Federal (STF), contendo 15 pontos.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.