Tamanho do texto

Holding que administra a JBS ofertou R$ 1,4 bilhão de multa, porém MPF quer R$ 11 bilhões, valor esse que equivale a 5,8% do faturamento da marca

O Grupo J&F, que administra a JBS não aceitou pagar R$ 11,169 bilhões para fechar o acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF). A empresa teria 10 anos para saldar o valor, porém não fechou dentro do prazo estipulado pelo Ministério Público que era até as 23h59 da sexta-feira (19).

Leia também: Temer embolsou R$ 1 milhão em propina, diz diretor do frigorífico JBS

Joesley Batista é sócio do grupo que controla a JBS%2, a J&F, dona da Friboi
Ayrton Vignola/ Estadão Conteúdo 14.03.2011
Joesley Batista é sócio do grupo que controla a JBS%2, a J&F, dona da Friboi


Para fechar o acorde de leniência os representantes jurídicos da JBS, parte do grupo J&F , fizeram a proposta inicial no valor de R$ 1 bilhão, subindo a oferta para R$ 1,4 bilhão. O valor não foi aceito pelo MPF. A Lei anticorrupção em vigor no País estabelece que a multa em acordos de leniência tem como base de cálculo porcentagem do faturamento, porcentagem essa que varia de 0,1% e 20%.

Segundo os procuradores do Ministério Público, os R$ 11,169 bilhões pedidos para fechar o acordo com a empresa equivale a 5,8% do faturamento do grupo J&F no ano passado. Vale ressaltar que a JBS é o maior produtor de proteína do País, dono das marcas Friboi e Seara.

Em contrapartida ao não acordo de leniência , o de colaboração premiada já foi assinado e homologado pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Edson Fachin. Ao todo, serão ouvidos sete executivos da JBS e da holding J&F. A delação premiada contempla ainda o pagamento de multa no valor de R$ 225 milhões, além de colaboração irrestrita nas investigações que envolvem o presidente da República, Michel Temer .

Leia também: Movimento Vem pra Rua desmarca manifestações neste domingo

Negociações

Procuradores da República afirmaram na sexta-feira (19) que têm tentado fechar o acordo com os representantes das empresas desde o mês de fevereiro. Foi informado que o acordo de leniência corre paralelamente às negociações para a delação premiada.  Em nota, o MPF afirmou que nos últimos dois dias as negociações em torno da assinatura do acordo de leniência “se intensificaram”. Na última quarta-feira (17), foram divulgadas as primeiras informações relativas à delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS e sócios da J&F.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Lula e Dilma receberam US$ 150 mi em propina da JBS no exterior, diz Joesley

    Leia tudo sobre:
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.