Tamanho do texto

Em nota, a Presidência da República defende a inocência do presidente e afirma que ele "jamais solicitou pagamentos" para obter o silêncio de Cunha

Em resposta, a Presidência da República informou que o presidente Michel Temer
Marcelo Camargo/ABr
Em resposta, a Presidência da República informou que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos"

O presidente Michel Temer (PMDB) chegou cedo ao Palácio do Planalto , nesta quinta-feira (18), aparentemente para dar início à extensa agenda de reuniões com parlamentares do PSDB, PMDB, PP, DEM, PTB, PSD e PSB, prevista para esta manhã.

Leia também: Irmã de Aécio Neves é presa pela Polícia Federal em Belo Horizonte

Tal agenda não havia sido alterada após as denúncias divulgadas na noite desta quarta-feira (17) pelo jornal O Globo . Porém, por volta das 9h50 desta quinta, opresidente  Michel Temer cancelou todos os compromissos marcados para esta quinta.

No início da última noite, o jornal publicou reportagem, segundo a qual, em encontro gravado, em aúdio, pelo empresário Joesley Batista, do grupo JBS, Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e ao doleiro Lúcio Funaro para que esses ficassem em silêncio.

Batista, conforme a reportagem, firmou delação premiada com o Ministério Público Federal e entregou gravações sobre as denúncias.

Em resposta ao escândalo provocado pela denúncia, a Presidência da República informou que Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso em Curitiba, na Operação Lava Jato.

A nota diz ainda que o presidente "não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar". Segundo a Presidência, o encontro com o dono do grupo JBS foi no começo de março, no Palácio do Jaburu. "Não houve, no diálogo, nada que comprometesse a conduta do presidente da República".

Leia também: Supremo Tribunal Federal determina o afastamento do senador Aécio Neves

O comunicado acrescenta que Temer "defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos e que venham a ser comprovados."

Agenda para esta quinta

Conforme a assessoria presidencial, Temer chegou por volta das 8h desta quinta, para reunir-se com o coordenador da bancada do estado do Acre, senador Sérgio Petecão (PSD). Mas não vai cumprir o prometido.

Ainda de acordo com a agenda oficial do presidente Michel Temer, no fim da tarde, ele iria se encontrar com o deputado Alex Canziani Silveira (PTB/PR), o deputado Esperidião Amin (PP/SC), o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ) e o pastor Silas Malafaia. É esperado um pronunciamento público ainda para esta quinta.

Leia também: Bomba no governo: dono da JBS gravou Temer aprovando compra de silêncio de Cunha

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.