Tamanho do texto

Participam do encontro no Palácio do Jaburu os deputados e senadores da bancada paulista, além de ministros; reforma passa pelo crivo da Câmara

Previamente, foram confirmadas as presenças de 57 deputados federais no café da manhã com Michel Temer
Reprodução
Previamente, foram confirmadas as presenças de 57 deputados federais no café da manhã com Michel Temer

O presidente da República Michel Temer (PMDB) recebe, na manhã desta quarta-feira (10), deputados e senadores da bancada paulista para um café da manhã no Palácio do Jaburu. Previamente, foram confirmadas as presenças de 57 deputados federais. Os três senadores da bancada do estado não garantiram que iriam, mas a expectativa é de que também participem desta reunião de que tem na pauta a reforma da Previdência.

Leia também: Após apreciação de destaques, reforma da Previdência será votada em plenário

Os ministros da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy; da Secretaria-Geral, Moreira Franco e do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, também devem comparecer ao café da manhã com Temer

Nesta terça-feira (9), a Comissão especial da reforma da Previdência concluiu a votação dos destaques ao relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA). Foram apreciados os dez destaques que não foram votados na sessão anterior, por conta da invasão do plenário da comissão por agentes penitenciários, em protesto contra o relatório de Maia.

Sob a justificativa de evitar novos tumultos, a sessão desta terça teve reforço na segurança. O prédio foi cercado por grades e o esquema teve a participação de policiais militares, do Batalhão de Choque e da Força Nacional de Segurança.

Com exceção de um destaque, a orientação do governo foi para que a base aliada rejeitasse todos os adendos, sob a justificativa de finalizar a votação do texto sem grandes modificações. A única alteração aprovada por todos os partidos com representação na comissão é a que devolve à Justiça estadual a competência para julgar casos relacionados a acidentes de trabalho e aposentadoria por invalidez.

Leia também: Manifestantes contrários à reforma da Previdência tentam invadir a Câmara

Todos os destaques do PT foram rejeitados. O partido queria eliminar as mudanças no acesso aos benefícios assistenciais, entre eles o Benefício de Prestação Continuada (BCP). Os deputados também rejeitaram um destaque apresentado pela bancada do PSB, que queria garantir que servidores que começaram a contribuir até 2003 tivessem a aposentadoria com 100% do valor do salário no último cargo que ocuparam, além de terem reajuste equivalente ao dos servidores ativos.

Também foi rejeitado um destaque semelhante, apresentado pela bancada do PDT, mas que tratava apenas dos servidores que ingressaram no serviço público até 31 de dezembro de 2003. Com o acréscimo, o partido queria que esses servidores tivessem a aposentadoria com 100% do valor do salário no último cargo que ocuparam.

Referendo

A última votação foi de um destaque apresentado pelo PSOL que propunha a realização de uma consulta à população sobre a validade da reforma.

O destaque estabelecia que, em caso de aprovação da proposta no Congresso, o texto deveria passar por um referendo, instrumento previsto na Constituição e pelo qual a população vota pela aprovação ou rejeição de medidas propostas ou aprovadas pelo Parlamento.

O destaque do PSOL sobre o referendo foi derrubado por 21 votos a 14.

O relatório de Maia diz que a integralidade do salário só será garantida se o servidor atingir 65 anos (homem) e 62 anos (mulher) e o tempo mínimo de 25 anos de contribuição.

Leia também: Sem reforma da Previdência, Brasil paralisará em sete anos, diz Temer

Com a votação concluída, o texto está liberado para ser levado ao plenário da Câmara, para uma votação em dois turnos prevista inicialmente para os dias 24 e 31 de maio. Aprovado na Câmara, o projeto segue para o Senado e só depois passará pelo crivo do presidente Temer.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.