Tamanho do texto

Adriana Ancelmo foi presa no dia 6 de dezembro do ano passado, acusada de fazer parte do esquema de corrupção envolvendo o ex-governador do Rio

Adriana foi presa no último dia 6 de dezembro, acusada de fazer parte do esquema de corrupção envolvendo Cabral
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Adriana foi presa no último dia 6 de dezembro, acusada de fazer parte do esquema de corrupção envolvendo Cabral

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, determinou que Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral, deixe o Complexo Prisional de Bangu e vá para prisão domiciliar. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (17) pelo magistrado, que levou em consideração o fato de que tanto ela quanto o marido estão presos, o que estaria dificultando a criação dos dois filhos menores, de 11 e 14 anos.

Leia também: Mulher do ex-governador Sérgio Cabral é presa no Rio de Janeiro

Adriana foi presa no dia 6 de dezembro do ano passado, acusada de fazer parte do esquema de corrupção envolvendo Sérgio  Cabral , que havia sido preso em 17 de novembro – e já coleciona seis denúncias feitas pelo Ministério Público Federal (MPF). Os dois foram encaminhados para Bangu.

Advogada, ela é suspeita de ter recebido dinheiro desviado de empresas de construção em seu escritório de advocacia. Ambos foram presos na Operação Calicute, desmembramento da Lava Jato, que investigou o desvio de recursos públicos federais em obras feitas pelo governo do estado do Rio de Janeiro.

Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

Leia também: Em sexta denúncia, Sérgio Cabral é acusado de receber US$ 3 milhões em propina

Indiciamento

No último dia 2 de dezembro, o ex-governador do Rio de Janeiro, sua mulher e outras 15 pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal por crimes de corrupção ativa e passiva, participação de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Conforme as investigações, o ex-governador do Rio teria chefiado um esquema responsável por desvios de R$ 224 milhões dos cofres do Estado em contratos de grandes obras, entre elas a modernização do Estádio do Maracanã. As fraudes teriam ocorrido entre 2007 e 2014, nos dois mandados do peemedebista.

 Leia também: PGR pede arquivamento de investigação contra Pezão na Operação Lava Jato

No útimo dia 28 de novembro, o juiz Marcelo da Costa Bretas já havia bloqueado os bens da mulher de Sérgio Cabral. O pedido foi apresentado pelo MPF com base nos indícios de que a advogada participou de ações criminosas.

* Com informações da Agância Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.