Anne Cipriano e namorado assassinado
Reprodução
Anne Cipriano e namorado assassinado

Presa como suspeita de ser mandante do assassinato do namorado , a empresária Anne Cipriano Frigo, de 46 anos, admitiu que soube do homicídio pouco depois do crime. Em depoimento à Polícia Civil de São Paulo, a socialite assumiu ter sido informada da morte de Vitor Lúcio Jacinto, de 42 anos, pelo autor confesso do delito, o corretor de imóveis Carlos Ribeiro de Souza, de 38 anos.

“Vou te dar uma boa notícia: eu resolvi a sua vida. Eu o matei”, teria dito Souza, conforme relato da empresária aos investigadores do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A informação foi publicada pela Folha de São Paulo.

Após tomar conhecimento do assassinato, Frigo manteve segredo da confissão. No depoimento, a socialite alega medo para justificar o silêncio. A empresária afirmou que foi ameaçada e que Souza teria dito “que mataria os filhos da investigada se dissesse alguma coisa”.

Conforme consta no depoimento, Frigo teria questionado Souza imediatamente: “Você está louco? Por que você fez isso?”, teria dito. “Dei um tiro nele. Matei porque estava me devendo”, teria respondido Souza, conforme o relato.

Frigo é apontada como a mandante do assassinato de Vitor e teria oferecido R$ 200 mil a Souza para cometer o crime . Ela está presa desde 29 de junho e, em um primeiro depoimento, negou que foi informada do crime. O corpo da vítima foi encontrado no dia 18 de junho, em uma região de mata fechada perto da Represa Guarapiranga, na Zona Sul de São Paulo.

Você viu?

Depois que soube do assassinato, Frigo seguiu a vida normalmente. Ela chegou a reunir amigos para comemorar o  aniversário em um restaurante badalado de São Paulo para comemorar seu aniversário em 20 de junho deste ano, quatro dias após o namorado ser morto.

O advogado Celso Vilardi, que representa Frigo, disse que não pode dar detalhes sobre o depoimento. No entanto, argumenta que Souza tinha problemas com a vítima e interesse em assumir seu lugar . A empresária bancava uma vida de luxo à Vítor.

“No fundo, eles [Souza e Jacinto] estavam disputando quem iria fazer as operações de compra e venda de várias coisas. A história dele [Souza] não é verossímil em relação à questão de pagamentos, de valor para matar, porque estava ganhando muito mais do que isso”, disse, em entrevista à Folha.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários