Festa Copacabana Palace
Reprodução
Festa Copacabana Palace

Acusado de ser um dos chefes de uma quadrilha que vende cigarros de forma ilegal, Adilson Oliveira Coutinho Filho, conhecido como Adilsinho, comemorou seu aniversário no dia 14 de maio deste ano com uma festa para 500 pessoas no Copacabana Palace, hotel de luxo na Zona Sul do Rio. Na ocasião, os convidados receberam um convite em forma de vídeo com a trilha sonora do filme Poderoso Chefão. Contra Adilsinho há um mandado de prisão na Operação Fumus , realizada nesta quinta-feira pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) , do Ministério Público do estado.

A gravação de 36 segundos, em preto e branco, mostra três homens dentro do hotel, fumando charutos e bebendo, com a música do filme ao fundo. A festa contou com a apresentação de cantores como Gusttavo Lima, Ludmilla, Alexandre Pires e Mumuzinho e causou bastante polêmica nas redes sociais. Adilsinho é primo de Helio Ribeiro de Oliveira, o Helinho, presidente de honra da Grande Rio .

Na ocasião, viralizaram vídeos da comemoração na internet, mostrando aglomeração e pessoas sem máscara. A entrada dos convidados aconteceu pela Avenida Nossa Senhora de Copacabana, pelos fundos do hotel, para evitar que fossem fotografados. Agentes de Secretaria de Ordem Pública (Seop) estiveram no início do evento e afirmaram, num primeiro momento, que não encontraram nenhuma irregularidade no local.

Com a repercussão na internet, a secretaria voltou atrás e multou o Copacabana Palace em R$ 15 mil. O hotel também ficou impedido de realizar festas por 10 dias. A assessoria de imprensa do estabelecimento afirmou, na ocasião, que para realização do evento tinham sido cumpridas todas as exigências e obrigações legais.

A empresa da promoter Carol Sampaio foi contratada para realizar o cerimonial da festa. Em vídeo no Instagram, Carol afirmou que o espaço para festas no hotel tem capacidade para 1,8 mil pessoas, portanto o número de convidados teria ficado dentro dos 60% da lotação, conforme determinação legal.

Adilsinho foi um dos alvos de uma operação realizada nesta quinta-feira. Ele teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, mas não foi encontrado e é considerado foragido.

Você viu?

Em nota, o Copacabana Palace disse que “não comenta sobre eventos de terceiros realizados no hotel”. A rede hoteleira não quis informar se a direção da unidade já foi intimada pela PF a prestar esclarecimentos sobre a festa.

Em maio, a assessoria de imprensa do cantor Gusttavo Lima disse que o contratante informou que todas as medidas de segurança estavam sendo seguidas, e que todos fizeram teste de Covid.

A assessoria de Mumuzinho afirmou que ele foi convidado pela produção da festa e do aniversariante. O artista salientou que não recebeu cachê.

A assessoria da cantora Ludmila foi procurada. Ainda não houve retorno. A promoter Carol Sampaio não atendeu aos telefonemas da reportagem. O GLOBO não conseguiu contato com os cantores Alexandre Pires e Dudu Nobre. A defesa de Adilsinho também não foi encontrada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários