Imagem mostra parte do 'balão painel' de 18 metros caído na pista do Galeão: Polícia Federal afirma que houve risco de acidente aéreo
Divulgação/Polícia Federal
Imagem mostra parte do 'balão painel' de 18 metros caído na pista do Galeão: Polícia Federal afirma que houve risco de acidente aéreo

RIO — Um grupo de baloeiros armados invadiu o Aeroporto Internacional do Galeão no fim da noite desta segunda-feira, por volta das 23h, com carros e motos atrás de um balão de cerca de 18 metros que caiu na pista e, de acordo com a Polícia Federal, poderia ter causado um acidente aéreo "de proporções gigantescas" . Além do risco de uma tragédia, os crimonosos, que buscavam o artefato que entre as quadrilhas valia um prêmio de R$ 5 mil, ainda trocaram tiros com os policiais. Dois foram presos e o restante do grupo conseguiu fugir num barco.


A ação, conta a PF, foi notada quando policiais de plantão no Galeão receberam a informação da invasão e detectaram a movimentação dos bandidos nas câmeras de segurança do aeroporto. Os baloeiros chegaram a trocar tiros com os policiais, antes de dois deles serem presos. De acordo com a dupla, o bando estava em busca do artefato chamado entre eles de "balão painel":segundo os investigadores, ele era disputado entre grupos de baloeiros, sob a recompensa de R$ 5 mil e até um troféu para quem conseguisse resgatá-lo "a qualquer custo". Fotos divulgadas pela PF mostram o artefato caído sob a pista do aeroporto.

"A ousadia destas pessoas foi tamanha que além dos vários veículos que invadiram o Aeroporto Internacional, os marginais utilizaram na fuga uma embarcação marítima que conseguiu, após trocar tiros com os policiais civis e federais, escapar pela Baía de Guanabara", conta trecho da nota divulgada pela Polícia Federal.

Os dois homens foram presos e devem responder por invasão do aeroporto, tentativa de homicídio contra os policiais e organização criminosa. Eles foram encaminhados durante a madrugada para a Polícia Civil e já estão à disposição da Seap.

    Veja Também

      Mostrar mais