Elisângela Mororó arrow-options
Divulgação/PCCE
A advogada Elisângela Mororó

A advogada Elisângela Mororó , presa em novembro por envolvimento com tráfico de drogas e espancada no último dia 2 por outra detenta, teria pedido para ser agredida com o objetivo de conseguir prisão domiciliar , segundo o depoimento da outra detenta obtido pelo G1 .

Leia também: Homem que confesou ter assassinado menina é encontrado morto dentro de cela

O caso ocorreu no Instituto Penal Feminino (IPF) Auri Moura Costa, no Ceará. Após ser agredida, a advogada recebeu atendimento médico e não foram verificados ferimentos graves. Dessa forma, ela voltou à prisão, onde continuou reclusa.

A detenta que a agrediu afirma que elas haviam feito um acordo. Ela a agrediria no rosto e na barriga em troca de a advogada a ajudar a conseguir um advogado que pediria a transferência da detenta para um hospital mental, já que ela sofre surtos de epilepsia. 

Leia também: Teto de ginásio desaba durante forte chuva e quase atinge crianças; assista

A advogada havia sido presa em novembro, suspeita de participar de uma facção de tráfico de drogas e de cobrar até R$ 15 mil para entregar drogas durante visitas a presídios onde seus clientes estavam presos.

    Veja Também

      Mostrar mais