Governo de São Paulo
Gilberto Marques/Governo de São Paulo
O governo de São Paulo irá realizar assistência jurídica para policiais civis e militares.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que, a partir de janeiro de 2020, policiais civis e militares que matarem em atividade terão sua assistência jurídica paga pelo governo, caso tenham seguido o protocolo de serviço. O anúncio foi feito, nesta quarta (27) por meio de um vídeo divulgado nas redes sociais do tucano.

Leia também: Mortes de policiais caem 35%, mas letalidade da polícia sobe 50% em São Paulo

"Antes o policial cumpria seu dever e ainda tinha que pagar o advogado", afirma Doria sobre mortes decorrentes de ações policiais que seguiram o protocolo. No estado de São Paulo, pelo menos duas pessoas são mortas pela polícia por dia, uma média de 70 por mês, segundo dados do Instituto Sou da Paz, de janeiro a setembro de 2019. Foram, ao todo, 632 mortes decorrentes de letalidade policial .

“Se houver reação por parte do bandido, o protocolo determina o uso progressivo da força, e se o bandido voltar a reagir, quem vai para o cemitério é o bandido, não é o policial”, defende Doria. Nos últimos meses, o governador tem tentado se aproximar dos policiais, anunciando medidas de aumento salarial e melhorias nas condições de trabalho.

Leia também: TRF-4 julga se anula condenação de Lula no caso do sítio de Atibaia

O governador de São Paulo também afirmou que os profissionais que irão realizar a defesa dos policiais serão contratados pelo Estado junto com a OAB . A reportagem entrou em contato com a OAB-SP, mas ainda não obteve pronunciamento da entidade.

Confira a declaração completa de Doria :



    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários