Tamanho do texto

Em depoimento, as policiais disseram que se sentiram 'ultrajadas' com a ação

PM arrow-options
Reprodução
Caso aconteceu no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, em Sulacap, na zona oeste do Rio

As policiais militares que foram  filmadas por um soldado dentro do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio, dizem que se sentiram “ultrajadas com a exposição da intimidade”. O PM, que foi expulso da corporação, assumiu ter praticado o fato e alegou que “não pretendia produzir qualquer vídeo”, mas que, “por infantilidade e curiosidade”, queria saber se do ponto em que estava conseguiria o acesso à outra instalação.

Leia também: Com novo partido, Bolsonaro monta 'casa' para a família e ameaça o futuro do PSL

O soldado da Polícia Militar ( PM ) foi expulso por tentar observar colegas de farda no interior do banheiro feminino. A medida foi publicada no boletim interno da corporação da última quarta-feira.

De acordo com o documento, o ato teria sido praticado em junho deste ano, quando o soldado colocou o aparelho celular entre um vão de tijolos de vidro que separam os banheiros dos alojamentos masculino e feminino. Ainda conforme o boletim, foram as alunas que perceberam o que ocorria no local.

Ele foi expulso após uma averiguação interna. Ainda de acordo com as informações do boletim, a postura do soldado foi contrária à ética policial militar. Uma aspirante, na ocasião, estava despida no box dos chuveiros, no interior do banheiro feminino.

Leia também: Aras pede revogação, mas Toffoli mantém pedido de acesso a 600 mil dados