Tamanho do texto

Segundo a investigação, menino ameaçou colegas na escola com agulhas, mas o DHPP ainda aguarda os exames que comprovem que ele não teve ajuda

Raíssa de mãos das com o menino de 12 anos arrow-options
Reprodução
Menino confessou o crime e segue internado

O adolescente de 12 anos que matou a menina Raíssa Eloá Carapelli Dadona , de 9 anos, agiu sozinho, diz a Polícial Civil . O crime ocorreu no 29 de setembro no Parque Anhanguera, na Zona Norte de São Paulo e o menino ainda ameaçou colegas na escola com agulhas.

Segundo evidências constatadas no laudo necroscópico feito pela Polícia Científica e pelo Instituto Médico Legal, Raíssa foi estuprada e morta por asfixia mecânica. O menino de 12 anos, que confessou o crime, segue internado.

O documento aponta que a garota morreu em decorrência de asfixia mecânica, por obstrução das vias respiratórias, enforcamento e sufocação direta. o que significa dizer que ela ficou sem respirar após ter o pescoço pressionado, segundo informações apuradas pelo São Paulo Agora, da Folha. 

Leia mais:  Caso Raíssa: mãe do garoto diz que ele pode ter sido coagido por terceira pessoa

A perícia também encontrou sêmen na garota. Um objeto também teria sido introduzido na menina.

O laudo alegou ainda que o corpo de Raíssa apresentava lesões provocadas por mais de um tipo de instrumento. Os indícios atestam sofrimento aplicado à menina momentos antes de sua morte. 

Lesões típicas de defesa não foram encontradas pela perícia, o que atesta que Raíssa apanhou sem conseguir se defender.  Os resultados do exame que irão analisar os espermatozóides ainda estão sendo aguardados. Eles podem ajudar a identificar a pessoa responsável pelo abuso sexual.