Novo depoimento do menino de 12 anos sugere que um homem tatuado foi o responsável pela morte da garota.
Reprodução
Novo depoimento do menino de 12 anos sugere que um homem tatuado foi o responsável pela morte da garota.

A mãe do menino de 12 anos acusado de ter assassinado a menina Raíssa Eloá Caparelli Dadona , de 9 anos, afirmou que  o garoto pode ter sido convencido por uma terceira pessoa a cometer o crime. 

A entrevista foi concedida ao programa Cidade Alerta, da Rede Record. A mãe do garoto, que não teve a identidade revelada, disse ainda que o filho está recebendo ameaças de morte dos vizinhos. 

Leia também: Desejo de justiça une famílias de Ágatha e Karolayne, mortas no Alemão

Questionada sobre a inocência do garoto, a mãe respondeu: "Se ele errou, ele tem que pagar". Foi a mãe quem conduziu o próprio filho até a delegacia para prestar depoimento sobre o caso. 

Ela complementou durante a entrevista que o filho disse que tanto ele quanto a Raíssa teriam sido ameaçados por uma terceira pessoa antes do crime. A mulher encerrou sua fala com o seguinte discurso: “Se realmente foi meu filho o assassino, eu peço perdão à mãe da Raíssa”, concluiu. 

Ainda de acordo com o programa, o laudo psicológico apontou que o garoto não tem problemas psiquiátricos. Não havendo, portanto, necessidade de tratamento. A mãe do garoto informou à produção do programa que ele estaria recebendo ameaças de morte. 

Depoimento

De acordo com um documento apresentado pelo programa como sendo um documento oficial do caso, a polícia teria perguntado sobre a morte da menina e o garoto confessou. Questionado uma segunda vez, respondeu apenas afirmativamente com a cabeça. Ele também foi questionado se teria realizado o assassinato sozinho e, mais uma vez, teria afirmado com a cabeça. 

Você viu?

A polícia perguntou sobre o motivo que teria levado o menino a matar Raíssa, mas ele não quis responder. Questionado sobre onde conseguiu a corda, o garoto de 12 anos respondeu que encontrou próximo ao Centro Educacional Unificado (CEU) Anhanguera, local onde a menina foi vista pela última vez com vida pela família. Por fim, ele comentou que estava com muito medo e arrependido dos atos praticados. 

Leia mais: Caso Ágatha: PMs se recusam a participar de reconstituição

O menino disse ainda que no meio da rua estava a meia social, a corda e o tecido vermelho encontrados junto à menina. 

Antes de supostamente assassinar Raíssa, o garoto e ela teriam brincado cerca de 40 minutos. Após isso, o garoto teria a agredido com empurrões e depois com chutes.

Perguntado se chegou a tirar a roupa de Raíssa, garoto negou, mas confessou, segundo o documento lido no programa, que os diversos ferimentos no corpo dela foram feitos com gravetos com os quais ele golpeou o corpo dela. 

Relembre o caso

A menina Raíssa, que era autista, foi encontrada morta, presa pelo pescoço em uma árvore, com marcas de agressão no ombro. O crime aconteceu nas proximidades do Centro Educacional Unificado (CEU) Anhanguera, localizado na Zona Norte de São Paulo, no último domingo (29). A criança estava em uma festa no local, quando foi pegar pipoca e não voltou. 

Imagens de segurança mostram Raíssa e o menino suspeito atravessando uma rua de mãos dadas por volta das 12h30, momentos antes da garota ser assassinada. O menino de 12 anos foi ouvido na noite da segunda-feira (30) pelo Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários