Novo depoimento do menino de 12 anos sugere que um homem tatuado foi o responsável pela morte da garota.
Reprodução
Novo depoimento do menino de 12 anos sugere que um homem tatuado foi o responsável pela morte da garota.

Os primeiros funcionários que encontraram o corpo da menina Raíssa Eloá Capareli, de nove anos, no parque Anhanguera, Zona Norte de São Paulo, afirmaram que o menino que chamou a equipe para avisar do crime estava “supertranquilo” e demonstrava frieza.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo , uma funcionária que não quis se identificar afirmou que foi a primeira a ser acionada pelo menino de 12 anos. Ela disse ter acreditado que o garoto “estivesse imaginando coisas”, pois ele “não estava ofegante, não estava assustado, nem nada”.

Leia também: Caso Raíssa: mãe do garoto diz que ele pode ter sido coagido por terceira pessoa

Após o menino informar ter encontrado “uma moça pendurada na árvore”, a funcionária chamou mais dois vigilantes. Eles fizeram uma caminhada de cerca de 10 minutos até achar o corpo pendurado em uma árvore, dentro de uma trilha de acesso restrito para funcionários.

Você viu?

Um rastro de sangue levava até o corpo da menina, indicando que ela começou a ser espancada antes de ser colocada na árvore. O galho que o menino afirmou, em um dos três depoimentos diferentes, ter utilizado para ferir Raíssa não foi encontrado.  

Segundo a Folha, o menino chegou a aparecer em algumas imagens do corpo da menina na perícia, observando-a e não demonstrando emoções enquanto chupava um pirulito. 

Relembre o caso

A menina Raíssa, que era autista, foi encontrada morta , presa pelo pescoço em uma árvore, com marcas de agressão no ombro. O crime aconteceu nas proximidades do Centro Educacional Unificado (CEU) Anhanguera, localizado na Zona Norte de São Paulo, no último domingo (29). A criança estava em uma festa no local, quando foi pegar pipoca e não voltou. 

Imagens de câmeras de segurança mostram Raíssa e o menino suspeito atravessando uma rua de mãos dadas por volta das 12h30, momentos antes da garota ser assassinada. O menino de 12 anos foi ouvido na noite da segunda-feira (30) pelo Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários