Tamanho do texto

Justiça decreta prisão de morador de rua que esfaqueou três no Rio

Agência Brasil

João Napoli arrow-options
Reprodução
João Napoli foi uma das vítimas do ataque do morador de rua.

A Justiça do Rio de Janeiro converteu a prisão em flagrante de Plácido Correia Moura em prisão preventiva. Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do estado, a decisão ocorreu na audiência de custódia do caso, realizada ontem (30).

Leia também: "Não tinha ninguém pra dar um tiro?", questiona Bolsonaro sobre morador de rua

Plácido vivia em situação de rua e foi preso depois de esfaquear três pessoas nos arredores da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio de Janeiro. O professor Marcelo Henrique Correia Reis e o engenheiro eletricista João Napoli morreram em decorrência dos golpes e foram enterrados na tarde de hoje (30), no Cemitério do Caju, na zona portuária do Rio.

O morador de rua foi baleado na perna por policiais militares (PMs) que tentaram contê-lo e está internado no Hospital Municipal Miguel Couto, sob custódia policial. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, seu quadro é estável.

Plácido Correia Moura atacou primeiro o carro em que estavam João e sua noiva, Caroline Moutinho, quando eles pararam em um sinal de trânsito. Caroline também foi ferida pelos golpes de faca, mas foi socorrida e sobreviveu.

Leia também: "Teria dado um tiro na cabeça dele", diz Witzel sobre morador de rua em surto

O professor Marcelo Reis circulava pelo local e parou para tentar ajudar o casal, mas acabou também sendo vítima do esfaqueador, que foi baleado e preso por policiais militares. Na tentativa de prisão, no entanto, os tiros disparados pelos policiais feriram mais três pessoas sem gravidade: dois bombeiros e outro PM.

A Polícia Militar abriu um procedimento apuratório e um estudo de ocorrência para esclarecer a conduta dos policiais durante a prisão. A corporação ressaltou que "a chegada rápida dos policiais militares evitou uma tragédia maior".