Tamanho do texto

Soldado da Força Pública Paulista Eduardo Custódio de Souza morreu durante ataque ao DOPS no dia 07 de setembro de 1968

Logo após o término da II Guerra Mundial, em 1945, as quatro décadas subsequentes o mundo presenciou a chamada “Guerra Fria”. Os principais polos antagônicos, EUA e URSS, representavam modelos econômicos distintos. Concomitantemente, a descolonização da África/Ásia impulsionou, em especial, o avanço das ideias marxistas do Império Soviético nas regiões recém-libertadas.

Leia também: 7 de Setembro de 1932, quando a Guerra Cívica parou

Soldado EDUARDO CUSTÓDIO DE SOUZA, em 2 de dezembro de 1960, com 20 anos, na cidade de Pirassununga- SP
Arquivo pessoal
Soldado EDUARDO CUSTÓDIO DE SOUZA, em 2 de dezembro de 1960, com 20 anos, na cidade de Pirassununga- SP

A América do Sul e o Brasil não ficaram imunes às efervescências políticas. O ano de 1968 assistiu à existência de muitos grupos radicais atuando no país. Como ponto de intersecção, desejavam a conquista do poder pela instauração da Ditadura do Proletariado, à base dos modelos comunistas, ora soviético, ora chinês ou cubano, conforme os inúmeros grupos.

Como não conseguiriam vencer através de uma luta aberta contra os Exércitos tradicionais (regulares), optaram pelo terrorismo, uma tática de guerra irregular, com o intuito de aterrorizar a sociedade.

Em 1968 (até 03 de setembro), somente na cidade de São Paulo foram cometidos 19 atentados terroristas com bombas (não somados os roubos a bancos, roubos a pedreiras- para subtração de materiais explosivos, dentre outras práticas).

As Polícias Ostensivas foram as primeiras Instituições a sofrerem o impacto de tais grupos. Na época realizavam o policiamento fardado e ostensivo no Estado de São Paulo a Força Pública e a Guarda Civil. Em 1970 as duas Instituições foram suprimidas e seus efetivos unidos, gerando a PMESP.

Leia também: Revolução de 1932 - Pedaço de terra sagrado - o túnel da Mantiqueira

No combate ordinário ao crime comum, os policiais acabaram se deparando, extraordinariamente, com ações violentas, despreparados para agirem em modalidade tão assimétrica. Os componentes desses grupos extremistas tinham, em inúmeras ocasiões, treinamentos específicos para esse tipo de guerra, agiam com superioridade tanto numérica quanto de armamentos.

Apesar da luta armada ter envolvido áreas rurais e urbanas, foi nas cidades a maior parte da atuação guerrilheira. O Eixo Rio/São Paulo/Belo Horizonte gerou mais vítimas, civis e militares, decorrentes dessas ações, sendo que em São Paulo a cidade figurou como grande campo dessa intervenção.

Fica latente no seguinte comparativo: dos 119 mortos pelo terror no Brasil (entre março de 1964 e 1974), 26 deles eram policiais militares do Estado de São Paulo, o que representa quase 22% do total de mortes, um elevadíssimo tributo de sangue para uma única Instituição.

Nesse caldeirão de radicalismo, surge a História de nosso protagonista. O Soldado da Força Pública Paulista Eduardo Custódio de Souza. Natural de Franca- SP, no dia 29 de março de 1940 a cidade presenciou seu nascimento, filho da Sra. Maria Augusta da Silva e Sr. Pedro Custódio de Souza.

Era o irmão do meio dos três filhos do casal, afetuosamente chamado de "Din" pela família (diminutivo de Eduardo). Sua irmão caçula, nascida em 18 de março de 1942, é Hilda de Souza. O primogênito, nascido em 15 de março de 1937, Reynaldo Custódio de Souza, já falecido, influenciado por Eduardo, também ingressaria na Força Pública Paulista (atual PMESP) dois anos depois de Eduardo. Outros 3 primos por parte de mãe, de sobrenome Jerônimo de Melo, também integraram a Força Pública. A outra parte de sua família é radicada em Ribeirão Preto-SP.

Antes de ingressar na Força Pública, Eduardo Custódio de Souza serviu ao Brasil, no Exército Brasileiro, como soldado, nas instalações do 17º RC (Regimento de Cavalaria), ocupado hoje pelo 13º RC MEC - Regimento de Cavalaria Mecanizada/ Esquadrão Anhanguera, com sede em Pirassununga. O 17º RC, em 1973, foi transferido para Amambai/MS, recebendo a denominação de 17º RC MEC - Regimento de Cavalaria Mecanizado.

Leia também: ROTA é a garantia de que em São Paulo o crime não compensa

A Unidade, em 1932, denominada 2º RCD – Regimento de Cavalaria Divisionária, prestou relevantes serviços durante a Guerra Cívica, lutando ao lado das forças Constitucionalistas. Atuou no Setor Sul, fronteira com o Paraná, e no Setor Norte, limite com o Rio de Janeiro e Minas Gerais. 4 de seus integrantes morreram pelo Ideal que empolgou as massas.

soldados da Força Pública: Luiz Raimundo da Silva (esq., RE: 25.281), Délson José Antônio (centro, RE: 25.257) e EDUARDO CUSTÓDIO DE SOUZA (dir., RE: 25.261)
Arquivo pessoal
soldados da Força Pública: Luiz Raimundo da Silva (esq., RE: 25.281), Délson José Antônio (centro, RE: 25.257) e EDUARDO CUSTÓDIO DE SOUZA (dir., RE: 25.261)

Ao término do serviço militar, como tantos jovens do interior ainda fazem nos dias atuais, Eduardo Custódio partiu para conquistar a cidade grande, São Paulo.

Ingressou como soldado da Força Pública, em 11 de agosto de 1962, direcionado para o 1º BP -Batalhão Policial “Tobias de Aguiar” (hoje, 1º BPChq- Rota), sob registro estatístico - RE: 25261, local em que se desenvolveu a Escola de Soldados. Concluído o Curso, em 1963, foi classificado no próprio 1º Batalhão Policial. Era carinhosamente conhecido por seus companheiros de farda pelo termo “terno preto”, pois se vestia, quando de folga, com roupa dessa cor.

A Força Pública disponibilizou policiais do 1º BP com o propósito de proteção e vigilância das instalações do DOPS - Departamento de Ordem Política e Social, localizado no largo General Osório, no centro da Capital, onde funciona hoje o Memorial da Resistência de São Paulo. Pertencia a 5ª Cia do 1º Batalhão Policial, Unidade de Choque da Força. Custódio trabalhava nas instalações desde 1963. Solteiro, morava no próprio local de trabalho, que no jargão militar é conhecido como “laranjeira”.

Sábado, “07 de setembro”, Dia da Pátria, há 50 anos. À frente do DOPS, há 4 meses, todas às noites, preventivamente, cordões de isolamento interditavam e impediam o livre trânsito, pois São Paulo sofria com os atentados à bomba, praticados por terroristas marxistas.

O soldado Eduardo Custódio estava na função de sentinela, escalado das 02h00 às 04h00 da madrugada, nos fundos da referida Repartição Policial, portando uma metralhadora INA. No prédio, de 5 andares, os xadrezes ficavam no térreo. No momento da ação terrorista existiam em torno de 30 presos.

Leia também: ROTA apreende arsenal de combate com duas criminosas e golpeia crime organizado

Na fachada principal (frente), policiais guardavam as instalações, na respectiva conformidade: 02 à esquerda do prédio, 02 ao centro e mais 02 à direita, todos armados com metralhadoras. Nos fundos do Departamento, do outro lado do prédio, que dava acesso ao pátio de manobras da extinta Estrada de Ferro Sorocabana, somente era sentinela o soldado Eduardo Custódio. No 1º andar, sobre a porta de saída dos xadrezes, uma laje (marquise), com um metro de largura por seis de comprimento, local de serviço do soldado Custódio.

Por volta das 02h30 da madrugada foram ouvidos de dois a três disparos separados e, logo após, uma rajada de metralhadora, cujo som vinha dos fundos da Repartição, posto do soldado Custódio. Correm os policiais para averiguar a situação. 

Encontram-no caído, agonizando, envolvido em uma poça de sangue, com marcas dos disparos espalhadas no seu corpo, com a metralhadora INA ao seu lado. Dos 18 disparos de sua metralhadora, 7 alcançaram seu peito e cabeça. Os 11 restantes se fixaram em parede próxima.

Os terroristas conseguem fugir antes de iniciado o cerco policial. O alarme da Repartição dispara, a guarda era reforçada, temendo novo ataque. Depois, formou-se um cerco na região em busca dos guerrilheiros urbanos, sem sucesso. Uma viatura socorre o soldado Eduardo Custódio ao Hospital das Clínicas, ainda vivo, em estado gravíssimo. Duas horas após, apesar da assistência médica recebida, com 28 anos de idade e um futuro promissor, sua vida era roubada...

O ataque, se tivesse êxito, libertaria terroristas presos, forneceria armamento e munição e redundaria em excelente forma de propaganda à causa.

A primeira hipótese resultante sugeriu a prática do suicídio, logo descartada (tipo de arma utilizada, o elevado número de disparos sofrido (7), além das próprias características do soldado Custódio, que não tinha motivo aparente).

Seu corpo, já pelo IML, após os exames de praxe, ao meio dia era liberado. Foi direcionado à Franca- SP, distante aproximadamente 400 km da Capital, terra de seu nascimento. Chega ao destino no final do dia, com início de seu velório. No dia seguinte, domingo, 08 de setembro de 1968, a cidade de Franca prestou seu último tributo ao herói anônimo. Foi enterrado no Cemitério Municipal da Saudade, em Franca- SP, quadra 07, sepultura (número novo) 0326.

Não há ruas no Estado, mesmo em sua cidade natal, homenageando- o. Tornou-se anônimo, componente de um “exército de gladiadores”, esquecido justamente pela sociedade, que um dia jurou defender, “mesmo com o sacrifício da própria vida”. A família jamais recebeu qualquer tipo de indenização por sua extinção... A facção terrorista nunca foi identificada!

Leia também: Canil da PM dá "pancadão" no tráfico de drogas da zona sul de São Paulo

Entretanto, seu sangue, seu DNA, seu idealismo ainda correm na Instituição. Dois sobrinhos- netos seus, os irmãos, tenente-coronel PMESP Jerônimo, Comandante do 3º BPM/I (Ribeirão Preto- SP) e major PMESP Jerônimo, Coordenador Operacional do 43º BPM/I (Sertãozinho- SP) perpetuam a trajetória do soldado Eduardo Custódio de Souza. Em vida, cheia de lutas e honras. Com seu passamento, a dor, o eterno amor e a saudade dos que ficaram. Para a PMESP, referência às gerações presentes e vindouras, pois sua morte não foi em vão!

13 dias após, em 20 de setembro de 1968, outro ato terrorista, com “vários pontos em comum” (ocorrido em um final- de- semana, durante a madrugada, contra sentinela isolada, portando metralhadora). A Força Pública Paulista e a sociedade chorariam a morte de outro jovem, de 20 anos: soldado Antônio Carlos Jeffrey, em um dos acessos da Academia do Barro Branco, na Capital (veja mais em: encurtador.com.br/kKMT1)
Sobre o assassinato do capitão PMESP Alberto Mendes Júnior por terroristas, em maio de 1970, veja em: encurtador.com.br/sDZ25