Tamanho do texto

Revolução de 1932 marca a revolta protagonizada pelo estado de SP que buscava a derrubada do governo de Vargas e convocação da Constituinte

O túnel da Mantiqueira, na fronteira entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais, entre as cidades de Cruzeiro - SP e Passa Quatro - MG, no “front” de batalha Setor Norte, ficou conhecido como “grande sorvedouro de vidas” dos valentes Soldados, que ali defenderam e tombaram pela Reconstitucionalização do país, Frente que teve o maior número de baixas de todos os setores de combate na Revolução de 1932.

Leia também: Revolução de 1932 - Os últimos momentos do Cadete Ruytemberg Rocha

Revolução de 1932 - Em 1932, em imagem histórica, Soldados Constitucionalistas, em guarda, na entrada do túnel, pela passagem mineira
Divulgação
Revolução de 1932 - Em 1932, em imagem histórica, Soldados Constitucionalistas, em guarda, na entrada do túnel, pela passagem mineira

O túnel, com aproximadamente 1.000 metros de extensão, têm as seguintes características: escuridão total e baixa temperatura. Em suas laterais corre um curso de água, que durante a Revolução de 1932 ficou vermelho do sangue derramado pelos lutadores do setor...

Na 1ª imagem (branco e preto), Soldados Constitucionalistas, em guarda, na entrada do túnel, pela passagem (entrada) mineira, com seus fuzis Mauser, modelo 1908 (F.O.).

Na 2ª imagem, 85 anos após, Cadetes PM (feminino) da Academia de Polícia Militar do Barro Branco - APMBB, portando carabinas Mauser, modelo 1936, com o histórico uniforme de “Brim Cáqui", utilizado em 1932, na mesma posição dos heróis de outrora, durante a Expedição Constitucionalista, ocorrida entre 16 e 17 de fevereiro de 2017.

Defenderam o famoso túnel das Tropas Ditatoriais os bravos componentes da Força Pública Paulista (atual PMESP), do formidável corpo de voluntários constitucionalistas e dos heroicos soldados do Exército, dos seguintes Destacamentos:

1) o 2º Batalhão de Caçadores Paulistas (2º BCP), da Força Pública Paulista (hoje PMESP), atual 2º BPM/M ("DOIS DE OURO"), é atualmente responsável pelo policiamento ostensivo do Bairro da Penha e adjacências, na zona leste da Capital, cuja placa (3ª foto) homenageia a Unidade;

Leia também: Revolução de 1932: a partida da Força Pública ao Front

O 2º BCP deixou a Capital no dia 10 de julho de 1932, no primeiro dia efetivo de operação de guerra, após o estouro da Revolução, em 09 de julho de 1932, rumando para o Setor Norte. Suas companhias ocuparam, entre os dias 12 e 13 do mesmo mês, a difícil posição no Túnel, verdadeiro absorvedouro de vidas.

O 2º BCP foi a unidade que mais contribui para a defesa do local, amontoando gloriosamente os corpos dos homens valentes que a compunham. O batalhão homenageia o Coronel Herculano de Carvalho e Silva, substituto no Comando Geral da Força Pública, após a morte do Coronel Júlio Marcondes Salgado.

85 anos após, Cadetes PM (feminino) da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, com o histórico uniforme de
Divulgação
85 anos após, Cadetes PM (feminino) da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, com o histórico uniforme de "Brim Cáqui", utilizado na Revolução de 1932

2) 5º Batalhão de Caçadores Paulistas (5º BCP), atual 5º BPM/I, responsável pelo policiamento ostensivo na cidade de Taubaté, Pindamonhangaba e Campos do Jordão, no Vale do Paraíba. A Unidade recebeu o nome, homenageando o Comandante Geral da Força Pública durante a Revolução, morto em 23 de julho de 1932, decorrente de explosão de um morteiro em teste: Coronel Júlio Marcondes Salgado, promovido "post mortem" ao posto de General;

3) 2º Cia do Corpo de Bombeiros da Força Pública Paulista (atual Corpo de Bombeiros da PMESP). Os integrantes dos Bombeiros, nos tempos de paz, acostumados aos perigos das chamas, pois não temiam jogar a vida na extinção dos incêndios, no Setor do Túnel combateram um fogo diferente daquele contra o qual lutavam diariamente nas cidades. Lá não havia o assovio das sirenes, mas somente o silvo das granadas... Dos 12 Bombeiros tombados durante a Revolução, 6 deles foram somente no Setor do Túnel;

4) o "Batalhão Bahia", composto por Voluntários oriundos da região de Bragança Paulista- SP. Rapidamente formado, seu efetivo partiu para o Setor do Túnel, a "fábrica de heróis", em 16 de julho de 1932, uma semana após o início do epopeico Movimento Constitucionalista;

5) o "Batalhão Sete de Setembro", composto por Voluntários, formado na Capital Paulista, com sede na Avenida Tiradentes. Também rapidamente estruturado, partiu para o campo de luta, especificamente, para o temível Setor do Túnel, em 17 de julho de 1932;

6) o 3º Batalhão ("TRÊS DE OURO"), do 5º Regimento de Infantaria, do Exército Brasileiro. As Companhias do "Três de Ouro" partiram entre 10 e 12 julho de 1932 para o Setor Norte, destacados para uma das difíceis e perigosas posições do Túnel; 

Leia também: Conheça a história da Revolução Esquecida de 1924

7) 1° Batalhão do 4° Regimento de Infantaria, do Exército Brasileiro. Unidade aquartelado em Quitaúna, região de Osasco- SP. Dia 11 de julho de 1932 o Regimento partiu para o Setor Norte de combate.

Revoluçãod de 1932 - Eles não morreram em vão...

Placa no Túnel da Mantiqueira em homenagem aos soldados do 2º Batalhão de Caçadores Paulistas, atual 2º BPM/M, hoje responsável pelo policiamento na zona leste da Capital
Divulgação
Placa no Túnel da Mantiqueira em homenagem aos soldados do 2º Batalhão de Caçadores Paulistas, atual 2º BPM/M, hoje responsável pelo policiamento na zona leste da Capital


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.