Mulher fica com 'restos de aborto' dentro do corpo por sete meses
Reprodução Redes Sociais
Mulher fica com 'restos de aborto' dentro do corpo por sete meses

Ericka Hall, de 38 anos, sofreu um aborto espontâneo em março, mas ficou com os 'restos' da gravidez em seu corpo por sete meses, por conta de seguidos erros do hospital onde foi atendida, o Royal Stoke University Hospital, na Inglaterra. Ela diz que não deseja a dor que sentiu "nem para o pior inimigo".

Ericka abourtou um dia antes de realizar exame de varredura de 12 semanas. Ela foi mandada para casa depois de ser examinada, mas continuou sangrando e sentindo dores.

Ela foi submetida a um procedimento para remover o material remanescente de seu útero, mas meses depois estava de volta com dores "terríveis" e acabou precisando de uma nova cirurgia.

"Eu ainda estava sangrando muito. Continuei desmaiando, sabia que algo estava errado. Meu parceiro chamou uma ambulância. Eles me levaram para o Royal Stoke, eu fiz exames, eles me deram fluidos e eu acabei tendo uma transfusão de sangue."

"Mais tarde naquela noite, um médico me levou para um quarto, me examinou e tirou o resto do conteúdo do bebê. Fui liberado um dia após pensar que tudo ficaria bem", conta.

Ericka, que mora com o parceiro John Holton, diz que se sentiu bem até alguns meses depois, quando começou a se sentir mal.

Leia Também

"Pensei estar com uma infecção. Comecei a sentir dores novamente. Fiz um teste de urina, que não acusou problemas. Mas a dor ficou muito forte, eu estava lutando para sair da cama e dormir. Eu não aguentava mais, então fui para o hospital. Fui três vezes em 14 dias", relata.

"Eles continuaram me enganando. Eventualmente, eles me levaram e fizeram uma varredura e encontraram um cisto no meu ovário. Eles disseram que ainda havia alguns restos do bebê de março", conta Ericka.

Ericka, que é mãe de quatro filhos, diz que se sente decepcionada com o hospital. "Por que eles não verificaram depois do aborto se todo o conteúdo havia sumido?", indaga.

"Eles não deveriam simplesmente mandar alguém para casa e sete meses depois você ainda está carregando os restos mortais de seu bebê. Eu não desejaria a dor que estava sentindo no meu pior inimigo, era horrível"

O Royal Stoke encorajou Ericka a entrar em contato com a Equipe de Aconselhamento e Ligação com o Paciente para obter suporte.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários