O ex-primeiro-ministro Shinzo Abe recebendo uma Guarda de Honra militar em Londres, em 2019
Reprodução/Flickr - 10.01.2019
O ex-primeiro-ministro Shinzo Abe recebendo uma Guarda de Honra militar em Londres, em 2019

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, mandou reforçar a segurança de seus ministros e políticos de alto escalão após o assassinato do ex-premiê de governo Shinzo Abe , baleado durante um comício eleitoral na cidade de Nara.

Segundo a emissora pública NHK, Kishida discutiu a estratégia de resposta ao atentado com o ministro da Justiça, Yoshihisa Furukawa, e o presidente da Comissão Nacional de Segurança Pública, Satoshi Ninoyu.

O Japão vai às urnas no próximo domingo (10) para renovar a Câmara dos Conselheiros e o  premiê pediu para as autoridades não cederem à violência e ao terrorismo.

O que se sabe do ataque

Shinzo Abe foi baleado duas vezes, foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo a emissora pública NHK, o suspeito — que foi identificado como Tetsuya Yamagami, de 41 anos, morador de Nara — usou uma arma artesanal e foi preso logo em seguida.

De acordo com reportagens da imprensa local, Tetsuya Yamagami, seria um ex-integrante da Força de Autodefesa Marítima do Japão, o equivalente japonês da Marinha.

A Agência para Incêndios e Desastres do Japão confirmaram que Abe tinha um ferimento de bala no lado direito de seu pescoço e que sofreu sangramento subcutâneo na parte esquerda do peito.

Ainda não se sabe se os dois tiros o atingiram ou se uma das balas o atingiu no pescoço e se deslocou dentro de seu corpo.

Um dos lideres do partido de Abe, em entrevista para a NHK, disse que a situação do político era "preocupante" e que ele recebeu uma transfusão de sangue. Logo depois a morte no hospital foi confirmada pela NHK.

"O ex-primeiro-ministro Abe foi baleado por volta das 11h30 da hora local (23h30 da noite de quinta-feira em Brasília) em Nara. Um homem, que se acredita ser o atirador, foi preso", informou o ministro-chefe do governo, Hirokazu Matsuno, a repórteres, no primeiro relato oficial.

Testemunhas

Vídeos que circulam nas redes sociais parecem mostrar paramédicos em torno de Abe no meio de uma rua.

Shinzo fazia um discurso em campanha eleitoral para um candidato em Nara quando ocorreu o ataque. Algumas testemunhas disseram ter visto um homem com uma "grande arma" próximo ao local.

Após os tiros, Abe caiu no chão, sangrando. Agentes de segurança prenderam o atirador, que não tentou fugir.

A emissora de notícias NHK informou inicialmente que Abe estava "consciente e respondendo" enquanto era levado ao hospital, segundo fontes policiais. A emissora também relatou que a polícia apreendeu a arma e identificou o atirador.

O discurso do ex-primeiro-ministro fazia parte de uma campanha de seu partido, o Partido Liberal Democrata, nas eleições para a Câmara Alta do Japão, que ocorrem no final desta semana. Após o atentado, ministros de todo o país foram convocados para voltar a Tóquio imediatamente, segundo a imprensa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários