EUA: Câmara veta venda de armas semiautomáticas para menores de 21
Fernando Frazão/Agência Brasil
EUA: Câmara veta venda de armas semiautomáticas para menores de 21

Após os Estados Unidos registrarem 36 mortes em  ataques a tiro durante um único mês, incluindo 19 crianças e duas professoras assassinadas em uma escola no Texas, deputados americanos aprovaram, nesta última quarta-feira (8), uma legislação para banir a venda de armas semiautomáticas para menores de 21 anos.

A Câmara, onde os democratas têm a maioria, aprovou a proposta por 223 a 204, seguindo majoritariamente as linhas partidárias. Apenas cinco republicanos não votaram contra a medida, que também inclui um veto à venda de cartuchos de alta capacidade.

A medida agora vai seguir para o Senado, mas deverá ser barrada, diante da grande polarização sobre o controle da comercialização de armas no país. Negociadores bipartidários tentam chegar a um acordo sobre medidas ainda mais modestas, mas que tenham alguma probabilidade de serem aprovadas. No formato atual, a rejeição parece certa: cada partido tem 50 senadores, apesar dos democratas terem o voto de minerva em caso de empate, que cabe à vice-presidente Kamala Harris.

O projeto, no entanto, precisaria de 60 votos favoráveis para vencer a cláusula de obstrução do Senado. O voto de quarta na Câmara veio apenas 15 dias após o massacre escolar em Uvalde, Texas, realizado por um homem de 18 anos com armas compradas legalmente apenas dias antes.

A divisão sobre o tema não é inédita, já que várias outras tentativas democratas de aumentar o controle sobre os armamentos foram barradas pelo Partido Republicano, como a proposta apoiada pelo então presidente Barack Obama há uma década, que não venceu a obstrução.

O projeto foi apresentado nos meses seguintes ao massacre de Sandy Hook, em 2013, quando 20 crianças foram mortas em uma escola em Connecticut.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários