Maya Fernández não estava em casa no momento do assalto
Reprodução
Maya Fernández não estava em casa no momento do assalto

A casa da ministra da Defesa do Chile , Maya Fernández, foi assaltada na mesma noite em que um dos guarda-costas do presidente do país, Gabriel Boric, sofreu um disparo no braço durante o roubo de um carro oficial, informaram as autoridades do país neste sábado.

O Chile vive “o pior momento de segurança desde o retorno à democracia”, reconheceu semanas atrás o subsecretário de Prevenção ao Crime, Eduardo Vergara, devido ao aumento tanto do número quanto da gravidade dos crimes.

Fernández, neta de Salvador Allende, ex-líder socialista derrubado pela ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), não estava em casa no bairro de Ñuñoa no momento do assalto na noite de sexta-feira, mas os criminosos agrediram seu filho e ameaçaram seu marido.

“Houve um assalto no imóvel da ministra da Defesa, onde estavam o marido e um de seus filhos. Como resultado desse crime, desconhecidos roubaram dinheiro em espécies e também um veículo”, disse o general da polícia Jean Camus.

Na mesma noite, um dos guarda-costas que trabalham na equipe de segurança do presidente Boric foi assaltado e baleado no braço ao ser abordado por um grupo de pessoas enquanto estava dentro de um dos veículos oficiais da Presidência.

O segurança, um sargento da polícia Carabineros, estava sozinho no veículo no bairro de San Miguel, no Sul de Santiago, retornando ao Palácio Presidencial de La Moneda para deixar o carro.

Os criminosos se aproximaram dele e o levaram para uma cidade no Norte do país. Eles o atacaram e atiraram nele, depois o abandonaram na rua e fugiram a bordo do veículo.

“Devemos redobrar nosso compromisso com a segurança e aumentar os níveis de eficiência para lidar com o crime no Chile”, disse o subsecretário Vergara neste sábado.

Segundo Manuel Monsalve, vice-ministro do Interior e Segurança, o governo realiza “ações concretas para perseguir o crime organizado". Ele se referiu à cooperação entre a polícia militarizada dos Carabineiros e o setor de Investigações, conduzida pela polícia civil.

Estes não são os únicos episódios de violência que ocuparam as páginas dos jornais chilenos nas últimas semanas.


Durante marchas no dia Primeiro de Maio, três pessoas foram feridas por disparos, supostamente efetuados por membros de uma máfia que controla o comércio ambulante, na região comercial de Meiggs, em Santiago. Depois de 12 dias internada, a jornalista Francisca Sandoval, de 30 anos, morreu.

Boric assumiu em março, e enfrenta como desafios a violência urbana, a inflação e um governo sem maioria no Congresso, em meio a uma sociedade polarizada e um processo constituinte pouco ordenado.

Os desafios na área de segurança pública incluem atos de vandalismo em meio a protestos pacíficos, aumento da atividade de traficantes de drogas em bairros pobres e incremento do porte de armas por civis.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

*Com informações de agências internacionais

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários