Corpos enfileirados e enumerados em Bucha, na Ucrânia
Reprodução/Redes sociais - 13.04.2022
Corpos enfileirados e enumerados em Bucha, na Ucrânia

O prefeito da cidade ucraniana de Bucha, Anatoly Fedoruk, afirmou que cerca de 20% dos moradores que ficaram na localidade durante os cerca de 30 dias de ocupação das tropas russas foram mortos.

"Nós, em Bucha, estimamos que foi assassinado um habitante a cada cinco daqueles que ficaram na cidade durante a ocupação do exército russo. Pessoalmente, como milhares dos meus conterrâneos, tenho ódio por aqueles que torturaram e mataram os habitantes pacíficos desse lugar", afirmou Fedoruk à agência Unian.

Ainda não se sabe exatamente o número de vítimas porque não há estimativas exatas se todos os que constam como desaparecidos conseguiram fugir da guerra .

Localizada a cerca de 25 quilômetros de Kiev, Bucha tinha cerca de 36 mil habitantes antes da guerra iniciada pela Rússia em 24 de fevereiro. Assim como outras localidades próximas à capital, foi libertada em 1º de abril, quando a Rússia decidiu concentrar os ataques no leste e no sul do território.

Desde então, as autoridades e as tropas ucranianas mostraram o horror da guerra: corpos de civis mortos estavam largados pelas ruas, além de valas comuns com dezenas de vítimas foram encontradas.

Leia Também

No último levantamento divulgado pelo próprio Fedoruk, 403 corpos já haviam sido recuperados. Muitos deles, mortos muitos dias antes da chegada dos militares ucranianos, tinham as mãos amarradas, sinais de tortura ou mutilações.

Bucha também foi palco de  visitas de autoridades europeias e de uma delegação do Tribunal Penal Internacional (TPI) que investiga possíveis crimes de guerra cometidos pelos russos na localidade.  Moscou nega as acusações e diz que Kiev armou toda a situação.

Neste domingo (17), as autoridades informaram que mais de mil corpos já foram encontrados na região de Kiev, que também inclui Borodyanka e Irpin.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários