Comboios militares em meio a destruição
Reprodução/Twitter DI Ukraine - 10.03.22
Comboios militares em meio a destruição

A prefeitura de Kiev, capital da Ucrânia, vai impor um toque de recolher de 35 horas a partir da noite desta terça-feira (15) por causa da  intensificação dos ataques da Rússia contra a cidade.

Em seu canal no Telegram, o prefeito Vitali Klitschko afirmou que a capital vive um "momento difícil e perigoso". "Por isso, peço que todos os habitantes de Kiev se preparem para ficar em casa por dois dias ou, se soarem as sirenes, nos refúgios", afirmou.

O toque de recolher deve vigorar entre 20h (15h em Brasília) desta terça e 7h da próxima quinta-feira. "Mover-se pela cidade sem autorização será proibido. Será permitido apenas sair para os abrigos", acrescentou o prefeito.

Na semana passada, Klitschko já havia dito que mais da metade da população de Kiev fugira da cidade por causa da invasão russa. No total, a guerra na Ucrânia já gerou quase 3 milhões de refugiados, de acordo com as Nações Unidas, sendo que 1,8 milhão de pessoas cruzaram a fronteira com a Polônia.

Durante a madrugada, as forças russas bombardearam um edifício residencial em Kiev, deixando pelo menos dois mortos, e danificaram uma estação de metrô da capital.

A Rússia também reivindicou o controle total da região de Kherson, cuja capital de mesmo nome já havia sido conquistada. Essa região fica no sul da Ucrânia, na costa do Mar Negro, e é estratégica para Moscou bloquear o acesso de Kiev a rotas marítimas.

Leia Também

Além disso, autoridades ucranianas denunciam a morte de pelo menos quatro pessoas durante bombardeios russos na cidade de Rubizhne, na região de Lugansk. Os ataques teriam destruído escolas, incluindo uma para cegos, e um hospital municipal.

Em Dnipro, no centro da Ucrânia, o aeroporto foi devastado por mísseis durante a madrugada. Já em Rivne, na parte ocidental do país, o balanço do ataque da última segunda contra uma torre de TV subiu para 19 mortos.

Em uma mensagem em vídeo, a vice-premiê da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, disse que, até esta terça, existem nove corredores humanitários concordados com Moscou, incluindo nos arredores de Kiev e em Mariupol, que está cercada pelas forças russas há mais de duas semanas e vive uma das mais graves emergências humanitárias na guerra.

Um funcionário local disse à CNN que cerca de 350 mil pessoas ainda estão em Mariupol, que tinha cerca de 450 mil habitantes até o início do conflito. As negociações entre os dois lados, que agora acontecem por videoconferência, foram retomadas nesta terça, mas ainda não há sinal de acordo. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários