Boris Johnson
Reprodução/Instagram
Boris Johnson

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou nesta segunda-feira o fim de todas as restrições contra a Covid-19, alegando que o país tem "níveis de imunidade suficientes" para confiar na vacina e em tratamentos, apesar da oposição política e da relutância das autoridades de saúde do país. Nem mesmo a notícia, no domingo, de que a rainha Elizabeth II teve teste positivo para o coronavírus fez o premier britânico mudar de ideia.

Com o anúncio da estratégia denominada "Vivendo com a Covid-19", realizado no Câmara dos Comuns, o governo acaba com a obrigação legal de autoisolamento de infectados a partir de quinta-feira e com sua política de testes gratuitos para detectar a doença.

— Vamos aprender a viver com esse vírus — disse o premier, que aproveitou para desejar melhoras à rainha. — Sei que toda a Câmara (dos Comuns) se juntará a mim para enviar nossos melhores votos a Sua Majestade, a Rainha, para uma recuperação completa e rápida. É um lembrete de que este vírus não desapareceu. Mas graças à incrível campanha de vacinação, o país está um passo mais próximo de voltar à normalidade e de finalmente devolver a liberdade às pessoas.

Os partidos de oposição acusam Boris de querer distrair a atenção, no momento em que seu cargo está em perigo pela investigação sobre uma série de festas na residência oficial de Downing Street durante o período de confinamento. Ele também é acusado de querer agradar a representantes conservadores que estão insatisfeitos com as restrições.

A maioria dos integrantes da Confederação do NHS (o sistema nacional de saúde do país) é contrária ao fim das medidas de isolamento e dos testes gratuitos à população. Nesta segunda, o presidente-executivo da Confederação, Matthew Taylor, admitiu que o programa de vacinação e a chegada de novos tratamentos contra a Covid-19 oferecem uma "verdadeira esperança", mas destacou que a pandemia não acabou.

— O governo não pode chegar, balançar uma varinha mágica e agir como se a ameaça tivesse desaparecido por completo — acrescentou.

Leia Também

David Nabarro, delegado da Organização Mundial da Saúde (OMS) especializado em Covid-19, afirmou que eliminar a lei sobre o isolamento dos infectados parece "realmente pouco sábio".

— Realmente, me preocupa que o Reino Unido esteja adotando esta linha que vai contra o consenso de saúde pública e que outros países afirmem: 'Bem, se o Reino Unido está fazendo, então por que não nós? — disse Nabarro.

A oposição trabalhista afirmou que a medida de eliminar os testes gratuitos é como "substituir seu melhor zagueiro 10 minutos antes do fim de uma partida".

— Boris Johnson está declarando vitória antes do fim da guerra, em uma tentativa de distrair a atenção da polícia que bate a sua porta — criticou a porta-voz de questões de saúde do Partido Trabalhista, Wes Streeting.

Mais cedo, o governo anunciou que oferecerá uma quarta dose da vacina a grupos mais vulneráveis. Segundo o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização (JCIV, na sigla em inglês), a dose extra será destinada a pessoas com mais de 75 anos ou que vivem em casas de repouso e todos com mais de 12 anos que apresentem um quadro de imunossupressão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários