Jair Bolsonaro
Reprodução/Flickr
Jair Bolsonaro

Se dependesse da Casa Branca, o presidente Jair Bolsonaro não faria a visita que programou a Moscou em meados deste mês. Essa preocupação foi transmitida por representantes do governo americano a autoridades brasileiras. A avaliação é que o momento não é adequado para uma aproximação entre Bolsonaro e o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A situação na fronteira da Rússia com a Ucrânia se tornou um dos principais pontos da agenda bilateral entre Estados Unidos e Brasil. Isto porque os brasileiros assumiram, em janeiro, um mandato de dois anos como membros rotativos do Conselho de Segurança da ONU. Para Washington, o melhor agora seria isolar Vladimir Putin.

Segundo fontes, essa preocupação dos americanos foi expressa em conversas entre integrantes dos governos dos dois países, mas não foi tratada claramente nos contatos telefônicos que ocorreram entre o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o chanceler Carlos França. Blinken já pediu uma “resposta forte” do Brasil para uma nova agressão da Rússia à Ucrânia. França defendeu uma solução diplomática para o impasse.

Visita equilibrada

Em entrevista ao GLOBO, o encarregado de negócios da embaixada da Ucrânia em Brasília, Anatoliy Tkach, sugeriu que Bolsonaro visite seu país, além da ida a Moscou. Segundo o diplomata, isso ajudaria a equilibrar a viagem do presidente brasileiro à Rússia.

Leia Também

Mas a viagem de Bolsonaro à Rússia, e em seguida à Ucrânia, continua mantida. O Palácio do Planalto informou que as datas não estão fechadas, mas existe a expectativa de Bolsonaro embarcar para Moscou por volta do dia 12.

Mais cedo, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que a Rússia exerce "direito de espernear" contra o avanço da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Isso porque Moscou exige um veto permanente à entrada dos ucranianos na Otan. Para Mourão, a situação na região não vai piorar até a visita de Bolsonaro à Rússia.

Solução diplomática duradoura

Em reunião, nesta segunda-feira, do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o representante do Brasil, Ronaldo Costa Filho, defendeu o diálogo entre as partes envolvidas na escalada de tensões. Segundo o embaixador, o governo brasileiro considera fundamental que se observe o direito internacional.

— Apelamos a todas as partes para que exerçam a máxima contenção e se envolvam construtivamente em conversações destinadas a resolver as suas diferenças. Há espaço para restaurar a confiança e encontrar uma solução diplomática duradoura para esta crise. Para isso, precisamos de vontade política e compromisso genuíno de todos os lados — disse o diplomata.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários