Loujain al-Hathloul em vídeo no momento em que atravessava a fronteira da Arábia Saudita com os Emirados Árabes
AP
Loujain al-Hathloul em vídeo no momento em que atravessava a fronteira da Arábia Saudita com os Emirados Árabes

Na quarta-feira (10), um ativista que defendia o direito de as mulheres dirigirem na Arábia Saudita foi solta após ter sido presa em 2018.  Loujain al-Hathloul , de 31 anos, foi condenada pela Justiça local a seis anos de prisão em dezembro do mesmo ano, após ser considerado que ela descumpriu as leis antiterroristas do país. As informações foram apuradas pelo G1. 

Além de atuar na defesa dos direitos das mulheres em dirigir, ela também não apoiava os ideais política da Arábia Saudita em relação ao regime de tutela masculina. Sua pena obteve uma redução de dois anos e dez meses, porém, ela ainda está impedida de sair do país por mais cinco anos. 

Quando foi presa, Loujain e outras ativistas tentavam reivindicar melhores condições para as mulheres locais. Apreendida, ela foi condenada por tentar alterar o sistema político da Arábia e pôr em risco a segurança da região. Somente em 2018, as mulheres foram permitidas a andarem de carro no país. 

Seu caso foi julgado por um tribunal especializado em situações de terrorismo e parte das acuações foram divulgadas. A Justiça afirmou que ela estava em contato com jornalistas, diplomatas estrangeiros, grupos de direitos humanos e ativistas sauditas que se encontravam fora do país e pedia o fim da tutela masculina. 

Ela foi presa em 2018
Reuters
Ela foi presa em 2018

Em 2014, Loujain ficou conhecida na região após tentar ultrapassar de carro a fronteira que liga a Arábia Saudita e os Emirados Árabes . Ela ficou cerca de 70 dias apreendida e levou seu discurso para outras mulheres pudessem faxer com que a pauta sobre o direito das mulheres não fosse esquecida em debates públicos, concedeu entrevistas a jornalistas de fora e ainda se fez presente em protestos sobre a causa. Com isso, passou a ser visada e criticada por conservadores muçulmanos. 

Segundo informações da agência Reuters e de sua família, a ativista sofreu torturas e abusos sexuais na prisão. A Justiça recebeu declarações sobre as situações em que Loujain estaria passando, mas a corte não abriu um processo investigativo sobre acusação alegando não ter provas o suficiente. A Anistia Internacional requisitou que os culpados fossem encontrados e punidos e, pedia para ocorresse a suspensão do direito de viajar dela. Representantes do governo não se pronunciaram sobre o caso. 

A maneira como a Arábia Saudita lida com as situações que envolvem direitos humanos chama atenção desde de a morte do jornalista Jamal Khashoggi, morto por autoridades sauditas na Turquia. O príncipe Mohammed bin Salman declara que não foi ele que deu a ordem para que o crime fosse adiante. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários