.
Reprodução/Twitter
Polícia


A polícia austríaca fez várias prisões em endereços ligados a um simpatizante do Estado Islâmico , que matou quatro pessoas em um ataque terrorista com tiros e facadas em Viena, capital da Áustria, noite desta segunda-feira (02).


O suspeito, morto a tiros pela polícia nove minutos após o ataque, era um homem de 20 anos do norte da Macedônia e foi condenado no ano passado por ser membro do ISIS. Ele também possuía passaporte austríaco e foi libertado de uma sentença de prisão de 22 meses em dezembro.

Suas vítimas foram "um homem idoso, uma mulher idosa, um jovem transeunte e uma garçonete", segundo o chanceler austríaco, Sebastian Kurz. Ele disse que todo o país foi o alvo do ataque e que os assassinatos foram a "sangue frio", prometendo que tudo seria feito para localizar os suspeitos .

"O inimigo, o terror islâmico, quer dividir nossa sociedade, mas não daremos espaço a esse ódio. Nossos inimigos não são membros de uma comunidade religiosa, são terroristas. Esta não é uma luta entre cristãos e muçulmanos, ou austríacos e migrantes, mas uma luta entre civilização e barbárie ."

O ataque começou poucas horas antes de a Áustria introduzir novas restrições ao novo coronavírus à meia-noite desta segunda-feira (02), incluindo o toque de recolher das 20h às 6h. 

Relatórios iniciais sugeriram que a sinagoga Stadttempel poderia ter sido o alvo do ataque, mas Oskar Deutsch, presidente da Comunidade Judaica de Viena, disse que o local e um prédio comercial no mesmo endereço já estavam fechados na hora do ataque.

A Israelitische Kultusgemeinde, organização que representa a comunidade judaica da Áustria, disse que fechou todas as suas sinagogas e instalações, incluindo escolas, restaurantes e centros culturais em todo o país. A segurança foi reforçada em estabelecimentos judeus em todo o país. 

    Leia tudo sobre: estado islâmico

    Veja Também

      Mostrar mais