População protesta após explosão em zona portuária que deixou dezenas de feridos
Reprodução
População protesta após explosão em zona portuária que deixou dezenas de feridos

Milhares de pessoas protestam neste sábado (8) na região central de Beirute , no Líbano , após a  explosão em uma zona portuária da cidade que deixou mais de 100 feridos. Durante as manifestações, que ocorrem que Praça dos Mártires, houve tentativa de invasão do Parlamento e confronto com o Exército.

Imagens que circulam nas redes sociais mostram regiões da capital com pessoas correndo e fumaça de bombas de gás lacrimogêneo.

O dia de protestos, está sendo chamado de "Dia da Ira" e Dia do Julgamento", tem vários níveis de tensão. Em alguns locais os manifestantes estão marchando e gritando palavras de ordem e, em outros, pessoas de todas as idades estão nas ruas, inclusive crianças e idosos.

O Ministério da Saúde do Líbano revisou para 154 o número de mortos na explosão que devastou o porto de Beirute na última terça-feira (4). O balanço divulgado na sexta (7) falava em 157 vítimas.

Ainda de acordo com o governo, 60 pessoas continuam desaparecidas, e outras 5 mil ficaram feridas, sendo 120 em estado grave. Dos 154 mortos, pelo menos 43 eram sírios, de acordo com a Embaixada de Damasco em Beirute.

"Estamos encontrando fragmentos de corpos, mas ainda esperamos achar sobreviventes", disse o general Jean Nohra, responsável pelas operações de socorro no Exército do Líbano.

A principal suspeita é de que a explosão tenha sido provocada pela detonação de 2.750 toneladas de nitrato de amônio que haviam sido apreendidas pelo país seis anos antes. No entanto, o presidente Michel Aoun não descartou a hipótese de uma "ação externa", como "mísseis ou bombas".

Doações

A comunidade internacional fará neste domingo (9) uma conferência para arrecadar doações para o Líbano, que antes da explosão já enfrentava uma grave crise econômica.

Os presidentes da França, Emmanuel Macron, e dos Estados Unidos, Donald Trump, já confirmaram presença - o mandatário francês foi o primeiro líder internacional a visitar Beirute após a tragédia e disse querer "coordenar" a ajuda estrangeira para o país.

Já o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, desembarcou na capital libanesa neste sábado (8)

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários