lam
Getty Images
Diretora-executiva de Hong Kong, Carrie Lam


A Secreraria do Tesouro dos EUA impôs sanções à chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, e a outras 10 autoridades da China continental. As medidas foram usadas para atingir aqueles que comprometem a autonomia de Hong Kong, disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

"Os Estados Unidos estão com o povo de Hong Kong", afirmou Mnuchin. A ação ocorre semanas depois que a China impôs uma lei de segurança nacional controversa  à Hong Kong, que, segundo críticos, ameaçou suas liberdades.

As tensões EUA-China continuam a aumentar - o governo Trump já passou a proibir transações nos EUA com os proprietários chineses dos aplicativos WeChat e TikTok.

O Tesouro dos EUA acusou diretamente Lam de "implementar as políticas de supressão da liberdade e dos processos democráticos de Pequim".

"Em 2019, Lam pressionou por uma atualização dos acordos de extradição de Hong Kong para permitir a extradição para o continente, iniciando uma série de manifestações massivas da oposição em Hong Kong", acrescentou o órgão em comunicado.

Os EUA criticaram, fortemente, a lei de segurança nacional de Hong Kong, com o Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo chamando-a de um ataque "aos direitos e liberdades do povo de Hong Kong".

A China defendeu sua lei controversa conforme necessário para interromper a interferência estrangeira em Hong Kong e os protestos pró-democracia muitas vezes violentos que ocorreram no ano passado.

Os 11 funcionários sancionados terão todas as propriedades apreendidas nos EUA e os ativos financeiros congelados . Carrie Lam já havia zombado da sugestão de sanções, dizendo, no mês passado, não ter "nenhum patrimônio nos Estados Unidos ou que deseja se mudar para os Estados Unidos." Ela ainda disse aos repórteres que "iria rir" se os EUA a sancionassem.

As sanções mais recentes foram autorizadas por uma ordem executiva que Trump assinou em julho para punir a China por seu papel nos assuntos de Hong Kong.

Quem são as autoridades sancionadas?

Além de Lam, os EUA também impuseram sanções a Chris Tang, o comissário da Força Policial de Hong Kong, e seu antecessor Stephen Lo, que dirigiu a força policial até 2019.

"Sob a liderança [do Sr. Lo], mais de 4 mil manifestantes foram presos e 1.600 feridos em confrontos", disse o Tesouro dos EUA. A secretária de Justiça de Hong Kong Teresa Cheng e o secretário de Segurança John Lee também foram afetados.

    Veja Também

      Mostrar mais