Aglomerações e eventos não cancelados foram fatores para contaminação de Covid-19 no Diamond Princess, em Yokohama
Reprodução/Flickr
Aglomerações e eventos não cancelados foram fatores para contaminação de Covid-19 no Diamond Princess, em Yokohama


Um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão constatou que as mais de 700 pessoas que contraíram a Covid-19 no  navio Diamond Princess, que ficou “preso” no porto de Yokohama em fevereiro deste ano, foram infectadas por apenas uma pessoa.


O caso ganhou atenção por ter ficado em quarentena na cidade japonesa, quando vários dos 3.711 passageiros testaram positivo para a doença do novo coronavírus. Treze pessoas faleceram no navio em decorrência da infecção.

O navio ficou em quarentena por três meses no porto após o desembarque de um passageiro em Hong Kong, que testou positivo para a Covid-19. Assim, mais casos começaram a ser descobertos.

Você viu?

O estudo que comprova a tese foi publicado na última terça-feira (28) na publicação científica da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, a PNAS. Os cientistas fizeram o sequenciamento genético das pessoas que fizeram testes no navio.

Ao fazer este processo, os pesquisadores esperavam conseguir diferentes combinações genéticas para identificar a variedade de mutações do novo coronavírus em passageiros e funcionários. No entanto, todos os infectados do Diamond Princess tiveram apenas uma origem.

Também foi descoberto que a contaminação em maior número de pessoas começou logo após a infecção da primeira pessoa à bordo.

O que causou as infecções em massa foram as aglomerações que aconteceram na embarcação. Isto porque o cronograma de eventos foi mantido mesmo após a quarentena no porto de Yokohama .

Além disso, o compartilhamento de áreas comuns para alimentação também pode ter contribuído para o espalhamento da doença.

"Embora a disseminação adicional possa ter sido evitada pela quarentena, alguns grupos de progênies podem estar ligados à transmissão por meio de eventos com aglomerações nas áreas de lazer e à transmissão direta entre passageiros que compartilharam cabines durante a quarentena", diz a pesquisa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários