Julgamento sobre Khashoggi
Reprodução Twitter @g1
Julgamento sobre Khashoggi


Zeki Demir, um técnico local que trabalhava para o consulado, testemunhando no primeiro dia do julgamento, à revelia de 20 autoridades sauditas, pelo assassinato de Khashoggi, o que provocou indignação global.

Khashoggi, renomado jornalista que trabalhou em coberturas de grandes notícias para vários veículos de comunicação sauditas - incluindo entre elas a invasão soviética no Afeganistão e a ascensão de Osama Bin Laden.

Demir disse que foi chamado para a residência do cônsul depois que Khashoggi entrou no consulado próximo. "Havia de cinco a seis pessoas lá ... Eles me pediram para acender o forno. Havia um ar de pânico", disse Demir.

Khashoggi desapareceu depois de entrar no edifício do consulado em outubro de 2018 para obter documentos para seu próximo casamento. Alguns governos ocidentais, assim como a CIA, disseram acreditar que o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman (MBS) ordenou o assassinato - uma acusação que as autoridades sauditas negaram.

As autoridades turcas disseram que uma teoria que a polícia adotou foi que os assassinos podem ter tentado se desfazer do corpo queimando-o depois de sufocá-lo e cortar seu cadáver.

De acordo com seu testemunho na acusação, Demir relatou ter visto muitos espetos de carne e um pequeno churrasco, além do forno no jardim do cônsul.

Lajes de mármore ao redor do forno pareciam ter mudado de cor como se tivessem sido limpas com um produto químico, informou o indiciamento.

Testemunho separado da testemunha na acusação, do motorista do cônsul, disse que o cônsul ordenou que kebabs crus fossem comprados em um restaurante local.

Demir se ofereceu para ajudar com a porta da garagem quando um carro com janelas escuras chegou, mas lhe disseram para deixar o jardim rapidamente, disse o indiciamento.


    Veja Também

      Mostrar mais