Primeiro-mniistro do Reino Unido Boris Johnson
Divulgação / Flickr
Primeiro-mniistro do Reino Unido Boris Johnson

O Reino Unido anunciou nesta quinta-feira (28) a liberação de encontros de até seis pessoas em parques e jardins em meio à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). A medida faz parte da estratégia de flexibilização do isolamento social contra a Covid-19 no país britânico.

"Vamos permitir que as pessoas se encontrem em jardins e outros espaços abertos. Essas mudanças significam que amigos e familiares podem se ver", disse Johnson durante o anúncio da medida. "Eu sei que muitas pessoas esperaram por esse momento", completou.

Além da permissão para que esses pequenos grupos de pessoas se encontrem, também foi anunciado pelas autoridades que dentistas poderão retornar ao trabalho no dia oito de junho. A condição, no entanto, é que esses profissioais tomem as medidas de proteção necessárias para evitar novos contágios.

Leia também: Trump se sente “perfeitamente bem” após uso de hidroxicloroquina

"Nós apoiamos totalmente a volta da rotina de cuidado dental. Desde que seja de uma maneira segura, operacional e que permita flexibilidade nas práticas odontológicas", afirmou o premiê britânico.

De acordo com os médicos locais, a taxa de infecção na Inglaterra segue próxima a 1. Isso significa dizer que cada pessoa com Covid-19 no Reino Unido transmite a doença para uma outra.

Leia também: Israel critica Weintraub: "Nada é tão extremo como Holocausto"

No quadro mundial, o Reino Unido é o quarto país mais atingido pelo novo coronavírus. Segundo a plataforma nCoV2019.live, que reúne em um só lugar as informações do mundo todo sobre o vírus, o país tem 37.837 mortos e registrou até agora 269.127 casos confirmados.

Escolas reprovam flexibilização

Após o anúncio da flexibilização, algumas escolas britânicas disseram que não vão respeitar a decisão do primeiro-ministro de retomar as aulas presenciais a partir da próxima segunda. A medida também foi anunciada hoje.

Leia também: Covid-19: Peru reduz salários de autoridades para ajudar famílias de vítimas

Segundo o governo, as crianças que retornariam primeiro seriam as de 4 a 6 anos. À Fox News, escolas disseram que ainda é cedo e que elas não se sentem seguras para receber crianças e professores em meio à pandemia.

    Veja Também

      Mostrar mais