Boris Johnson batendo palmas
Pippa Fowles/Fotos Públicas
Boris Johnson foi um dos líderes mundiais que foi diagnosticado com a Covid-19

O primeiro-ministro do Reino Unido , Boris Johnson , anunciou nesta segunda-feira (25) a reabertura de lojas não essenciais a partir de 15 de junho. A decisão vale para comércios de roupas, sapatos, brinquedos, móveis, livros e eletrônicos, além de alfaiates, casas de leilões, estúdios de fotografia e mercados internos. Ela ocorre nove semanas depois de medidas mais duras de isolamento social contra a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) terem sido tomadas no país.

Johnson também disse que os mercados ao livre e showrooms também poderão voltar a fazer suas negociações. Esses dois tipos de atividades comerciais, no entanto, poderão retornar mais cedo: 1º de junho. A condição é que os clientes sejam mantidos em segurança do ponto de vista sanitário.

Leia também: Impacto da pandemia no interior ainda está por vir, diz interino da saúde

Para que essa segurança seja garantida, os empregadores enfrentarão "verificações pontuais" para garantir que estão implementando o distanciamento social e ainda vão receber instruções para concluir uma avaliação de risco após consulta com sindicatos e trabalhadores.

Entre as recomendações que as empresas devem seguir para tranquilizar clientes e funcionários estão:

  • Colocar pôsteres em suas janelas para demonstrar o conhecimento das orientações
  • Armazenar itens devolvidos por 72 horas antes de devolvê-los ao chão de fábrica
  • Colocar coberturas protetoras em itens grandes tocados pelo público, como camas ou sofás
  • Limpar objetos e superfícies que são tocados regularmente, incluindo caixas automáticas, carrinhos, máquinas de café e terminais de apostas

    Veja Também

      Mostrar mais