A praia Waikiki Beach, em Honolulu, é uma das praias mais famosas e agitadas das ilhas do Havaí
shutterstock
A praia Waikiki Beach, em Honolulu, é uma das praias mais famosas e agitadas das ilhas do Havaí

Na tentativa de realizar um melhor combate ao Covid-19, o Havaí adotou uma prática inusitada para evitar a disseminação do vírus na ilha: além de exigir uma quarentena autoimposta de 14 dias a todos que chegam, ainda está pagando para mandar de volta para casa os "turistas irresponsáveis".

Leia também: Solidão em casa cheia: pandemia gera sobrecarga e angústia em Au Pairs nos EUA

Segundo informações do New York Times, o processo funciona da seguinte forma: após receber uma verba de US$ 25 mil (cerca de R$ 147 mil) da Autoridade de Turismo do Havaí , a ONG Visitor Aloha Society of Hawaii (Vash) instituiu um programa que auxilia na volta para casa de viajantes que não têm condições de bancar os pagamentos de estadia e alimentação para cumprir os dias de quarentena definidos pelo governo.

Desde o início da iniciativa, no último dia 06 de abril, o programa já mandou vinte visitantes de volta para seus aeroportos de origem, incluindo Guam, Los Angeles, Birmingham, Alabama e Denver. Normalmente, a Vash oferece suporte ao visitante, incluindo assistência de tradução e até ajuda na organização de funerais.

Você viu?

"Na minha opinião, a maioria daqueles que mandamos de volta foi irresponsável por viajar para o Havaí em plena pandemia da Covid-19 , quando todos sabem que estamos tentando manter a segurança do estado, evitando a disseminação da doença", desabafa Jessica Lani Rich, presidente e CEO da Vash, que revela ainda que muitos deles confessaram ter viajado para "aproveitar os preços baixos das passagens".

Apesar da redução de quase 99% no volume de turistas , o estado norte-americano segue recebendo pessoas em suas praias paradisíacas, o que vem incomodando os moradores locais, que criticam quem "fura" as restrições de quarentena e recomendações de distanciamento social.

Leia também: Covid-19: 7º país mais atingido, Brasil se aproxima da França em número de casos

"São pessoas que não sabem dos avisos ou preferem ignorá-los. O pessoal local, gente de máscara e tudo, tem de dar bronca porque elas estão lá, com toalha, guarda-sol, geladeira etc. Isso é proibido", conta Lynne Matusow, moradora de Honolulu .

Ainda de acordo com a publicação, a Autoridade de Turismo do Havaí disse que 421 passageiros chegaram por via aérea, dos quais 109 eram não residentes, desde o início das restrições de quarentena impostas pelo governo. De acordo com o Departamento Estadual de Saúde, até 23 de abril o Havaí tinha 596 casos da Covid-19 – com quatro novos – e 12 mortes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários