Itália foi um dos países mais impactados pela Covid-19
Reprodução
Itália foi um dos países mais impactados pela Covid-19


Nesta segunda-feira, 20, a Itália registrou o menor número de casos ativos de Covid-19 . País estava há quase dois meses registrando um alto número de pacientes positivos. Desde o levantamento divulgado no último domingo, foram 2.256 casos novos, menor número desde 10 de março.

Até o momento, o número total de casos no país é de 108.227, e o de óbitos é de 24.114. O país europeu é um dos que mais foi impactados pela pandemia do novo coronavírus .

Leia também: Itália anuncia "fase 2" de combate ao novo coronavírus

“Há 2.537 pessoas na UTI, uma redução de 62 em 24 horas e o número mais baixo em um mês”, afirma Angelo Borrelli, chefe da agência de Defesa Civil. "As pessoas curadas já são 48.877. Quase 90% se recuperaram no último mês", informou.

Você viu?

Leia também: Coronavírus: Brasil demorou mais que Itália e Espanha para atingir mil casos

Apesar de o país parecer estar conseguindo tomar controle das circunstâncias da doença, Borrelli afirma que não é hora de afrouxar nas medidas de segurança. Segundo ele, será possível realizar testes a médio prazo.

Por meio de aplicativos, o recurso de geolocalização poderá ajudar a identificar quem contrair a doença. Desde o início da pandemia, foram mais de 943 mil testes realizados no país.

Leia também: Por que o novo coronavírus é tão mortal na Itália? 

Segundo estudo realizado pelo Observatório Nacional de Saúde das Regiões Italianas, as regiões de Basilicata e Úmbria devem ser as primeiras a zerar o contágio, ainda em abril. Lombardia e Marcas devem ser as últimas, no fim do mês de junho. Toscana, Emilia Romagna e Lazio têm previsão de fim de casos em meados do mês de maio.

Em Bérgamo, a situação parece estar se acalmando. Um dos hospitais, o Papa Giovanni XXIII, está com a sala de emergência vazia depois de um mês e meio. Trezentas pessoas estão internadas, mas ainda há leitos disponíveis na UTI para pacientes que estão com complicações diferentes das da Covid-19 .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários