enfermeiro de máscara na rua arrow-options
Agência Brasil/Marcello Casal JR
Manifestação em Michigan pede fim de quarentena


Em manifestação organizada pela Coalizão Conservadora de Michigan, parte da população foi às ruas para protestar contra a quarentena imposta no estado, nos Estados Unidos. Alguns moradores da cidade de Lansing chegaram a se reunir com metralhadoras e fizeram carreatas. Na noite de ontem, 14, o país atingiu a marca de 600 mil casos confirmados para Covid-19 .

O principal objetivo do protesto foi o de fazer com que a governadora do estado, Gretchen Whitmer, reabra os comércios para que a economia volte a funcionar. No fim de semana, ela estendeu a quarentena no estado até o dia 1º de março. Entre as normas, visitas a outros moradores, reuniões privadas e públicas estão proibidas.

Leia também: Covid-19: Cadáveres são empilhados em hospital nos Estados Unidos

Além da aglomeração durante a manifestação e o uso de armas, uma manifestante fez apologia ao Nazismo em cartaz. Nele, uma suástica foi desenhada e, aos lados, os dizeres “Heil Whitmer”, referenciando a saudação alemã “Heil Hitler”.

Leia também: Mortes por Covid-19 ultrapassa número de 11 de setembro

Outro argumento da população que foi protestar contra a quarentena é o de que, com a decisão de manter o isolamento físico (novo termo utilizado pela OMS para o isolamento social ), a governadora impede o direito de ir e vir dos norte-americanos.

    Veja Também

      Mostrar mais