Tamanho do texto

Carlos Michel transmitiu também condolências ao chefe de Estado do Irã pelas vítimas do acidente aéreo dessa quarta-feira

Agência Brasil

Irã arrow-options
Tasnim News Agency/Amir Sadeghian
Exercito do Irã

O presidente do Conselho Europeu, Carlos Michel, pediu nesta quinta-feira (9), em conversa telefônica com o presidente iraniano, Hassan Rohani, que Teerã, a capital do Irã, evite atos irreversíveis na sequência do aumento de tensão com os Estados Unidos. 

Segundo comunicado, Michel transmitiu também condolências ao chefe de Estado do Irã pelas vítimas do acidente aéreo dessa quarta-feira (8), quando um Boeing 737 ucraniano caiu , pouco depois de levantar voo, nos arredores de Teerã, provocando a morte de 176 pessoas.

Sobre as tensões no Oriente Médio, o presidente do Conselho Europeu reiterou que a União Europeia (UE) está pronta a ampliar esforços com todas as partes a fim de diminuir os conflitos.

O presidente iraniano declarou que a UE sempre desempenhou papel estabilizador e responsável na região e que o Irã está pronto a manter a colaboração com as instituições europeias.

Leia também: Ucrânia não descarta possibilidade de míssil ter derrubado avião no Irã

Charles Michel declarou ainda que o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA) - o acordo internacional nuclear com o Irã -- foi uma ação importante após dez anos de intensas negociações e uma ferramenta fundamental para a estabilidade regional.

Nessa quarta-feira (8), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , disse que o país está pronto a "abraçar a paz com todos que a buscam" e a apostar na renegociação do acordo nuclear de 2015. Ele anunciou, entretanto, novas e "poderosas" sanções contra Teerã.

Mais de uma dúzia de mísseis iranianos foram lançados, na madrugada de quarta-feira, contra duas bases iraquianas que abrigam tropas tropas norte-americanas, em Ain al-Assad (oeste) e Erbil (norte).

O ataque foi reivindicado pelos Guardas da Revolução iranianos como uma "operação de vingança", em retaliação pela morte do general Qassem Soleimani, comandante da força Al-Quds, na sexta-feira, durante ataque aéreo em Bagdá ordenado por Trump.

*Emissora pública de televisão de Portugal