Tamanho do texto

Incidente com aeronave que deixou 176 pessoas mortas aconteceu horas após dois ataques do Irã contra bases iraquianas que abrigam tropas dos EUA

parte do avião arrow-options
Reprodução/Sky News
Parte do avião ucraniano que caiu com 176 a bordo no Irã logo após decolar

Em comunicado emitido nesta quarta-feira (8) por meio da agência Reuters sobre a queda do avião modelo Boeing 737 que causou a morte de 176 pessoas , a embaixada da Ucrânia no Irã informou que não houve problemas mecânicos na aeronave, como indicavam as primeiras informações.

A embaixada ressaltou que os primeiros comentários sobre o incidente não eram oficiais. Após a queda do avião da Ukraine International Airlines, a imprensa internacional afirmou que o órgão havia dito que a aeronave caiu por falha em um motor, descartando qualquer relação com a tensão entre Estados Unidos e Irã.

Horas antes da queda do avião,  duas bases iraquianas com tropas dos Estados Unidos foram atacadas pela Guarda Revolucionária do Irã. O país  confirmou que os ataques aconteceram como resposta a morte do general Qassim Suleimani após ofensiva norte-americana no aeroporto de Bagdá na última semana.

A queda da aeronave aconteceu logo depois de decolar do Aeroporto Internacional Iman Khomeini, em Teerã. As 176 pessoas, entre passageiros e tripulantes, tinham como destino a capital ucraniana, Kiev. Vídeos divulgados nas redes sociais mostravam um avião em chamas ainda no ar.

Assista abaixo:

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Vadym Prystaiko, divulgou que dos 176 mortos na queda do avião , 82 eram iranianos, 63 canadenses, 11 ucranianos (dois passageiros e nove tripulantes), dez suecos, quatro afegãos, três ingleses e três alemães.