Patrick Boyle, de 22 anos, está sendo considerado um herói no país após os resgates
Reprodução
Patrick Boyle, de 22 anos, está sendo considerado um herói no país após os resgates

Agulhas de tricô trabalham contra o relógio para produzir centenas de bolsas e cobertores protetores para os animais silvestres que escaparam dos incêndios florestais que devastaram seus habitats na Austrália. Em meio à forte comoção mundial pela vulnerabilidade selvagem às chamas avassaladoras, doações dos Estados Unidos , Reino Unido , França , Alemanha e Hong Kong chegam a todo momento no país.

Leia mais: Austrália terá 1,2 bi de euros para recuperar áreas afetadas pelo fogo

O material tem sido recebido pela Animal Rescue Craft Guild, uma associação australiana criada no âmbito da crise dos incêndios. As linhas têxteis podem dar forma a proteções para morcegos e marsupiais , bolsas para filhotes de cangurus que perderam suas mães, ninhos de pássaros e luvas para coalas que queimaram suas patas. Hoje, a página da organização no Facebook já soma 75 mil curtidas.

"Isso está se transformando em uma loucura. A resposta tem sido incrível", celebrou Belinda Orellana, uma das fundadoras do grupo. Desde o início dos incêndios, em setembro, oito milhões de hectares — o equivalente ao território da Irlanda — foram destruídos pelo fogo. Pesquisadoresa da Universidade de Sydney estimam que meio bilhão de animais morreram em decorrência do fogo, e centenas de milhares de espécies nativas sofreram ferimentos ou foram obrigadas a se deslocar de seus habitats.

Você viu?

Leia também: Incêndios na Austrália: foto de filhote de canguru carbonizado choca o mundo

Além disso, ao menos metade da população de coalas saudáveis na Austrália morreram depois que o fogo arrasou a Ilha Canguru, segundo os serviços de resgate australianos. Lara Mackay, que colabora da Nova Zelândia, onde vive, fez uma bolsa de canguru testada pelo seu próprio gato em casa.

"Estou pensando em fazer a maior quantidade possível e pedindo às fábricas que doem tecido de costura", disse Lara. Em Singapura, Leslie Kok falou à Reuters enquanto costurava sua quarta bolsa para cangurus e se reuniu com outros voluntários para compartilhar materiais e conselhos. "Vou seguir tricotando enquanto as bolsas forem necessárias", afirmou.

Mais próxima dos incêndios florestais, Simone Watts, que vive na região de Blue Mountains, nos arredores de Sydney, viu o pedido de doações e não hesitou em ajudar. "Olhei a lista dos itens mais urgentes e, considerando minhas capacidades de costura, decidi que poderia contribui com camas para os morcegos", contou Watts.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários