Tamanho do texto

Pelo 2° dia seguido, país bateu recorde nacional, com temperaturas de 41,9 graus; valor máximo foi registrado na região de Eucla, na Austrália Ocidental

Agência Brasil

Calor arrow-options
Reprodução
Calor foi tão intenso que destruiu o asfalto de rodovias e derreteu até lixeiras

A Austrália bateu pela segunda vez o recorde do dia mais quente, com temperatura média nacional de 41,9 graus Celsius, informou nesta quinta-feira (19) o Departamento Meteorológico.

Leia também: Impeachment de Trump: entenda os próximos passos após aprovação na Câmara

Na quarta (18), já tinha sido batido um recorde com 40,9 graus. No entanto, a maior temperatura no mês de dezembro foi registrada hoje, quando os termômetros atingiram os 49,8 graus na localidade de Eucla, na Austrália Ocidental.

O recorde absoluto anterior em dezembro tinha sido registrado em Birdsville, Queensland, em 1972 (49,5 graus).

A Austrália vive uma onda de calor excepcional, que é particularmente preocupante num país já devastado nos últimos meses por centenas de incêndios florestais.

O estado de Nova Gales do Sul, o mais populoso da Austrália, declarou estado de emergência de sete dias por causa dos incêndios.

Cerca de 2 mil bombeiros lutam contra as chamas, que ainda estão incontroláveis em algumas áreas, com o apoio de equipas australianas, dos Estados Unidos e do Canadá.

O último estado de emergência, em meados de novembro, durou sete dias devido ao fogo. O centro de Sydney atingiu máxima de 39 graus.

Pelo menos seis pessoas morreram devido aos incêndios florestais em Nova Gales do Sul, a região mais duramente atingida por incêndios e seca severa. Desde 1º de julho, o fogo afetou uma área de 13 mil quilômetros quadrados.

A temporada de incêndios na Austrália varia de acordo com a área e as condições meteorológicas, embora seja geralmente registrada entre os meses de dezembro e março.

Leia também: Laboratório do Brasil pode ser solução para fim da fome e cura de doenças graves

Os piores incêndios observados no país nas últimas décadas ocorreram no início de fevereiro de 2009, no estado de Victoria (sudeste), e deixaram 173 mortos e 414 feridos. A área atingida foi de 4.500 quilômetros quadrados.