Agência Brasil

Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 27.11.19
Brasil vai manter relação pragmática com Argentina, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (27) que o Brasil vai manter uma relação pragmática com o governo do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández , que venceu as eleições pela coalizão de esquerda Frente de Todos e sua vice é a senadora Cristina Kirchner , ex-presidente do país. Bolsonaro é crítico do kirchnerismo e apoiou a reeleição do presidente Maurício Macri , derrotado nas urnas nas eleições realizadas em outubro no país vizinho.

Leia também: Órgãos do MPF dizem que excludente de ilicitude em ações GLO é inconstitucional

“Nosso relacionamento com a Argentina vai ser pragmático sim, temos bom relacionamento comercial, no que depender de mim continuará”, disse Bolsonaro durante entrevista a jornalistas, em Manaus (AM). A posse do novo governo será em 10 de dezembro, em Buenos Aires, e o presidente brasileiro já designou o Ministro da Cidadania, Osmar Terra, para representá-lo na cerimônia.

Na segunda-feira (25), Bolsonaro já havia dito que espera que os acertos feitos pelo governo da Argentina, no âmbito do Mercosul , sejam mantidos por Fernández, como o acordo de livre comércio com a União Europeia, que ainda precisa ser ratificado pelos países membros dos blocos. Nos dias 4 e 5 de dezembro, será a última cúpula do ano dos chefes de Estado do Mercosul e a reunião do Conselho do Mercado Comum. Na ocasião, a Argentina ainda será representada por Maurício Macri.

Leia também: Bolsonaro se compromete a indicar em breve ministro evangélico para o Supremo

Amazônia

O presidente Bolsonaro esteve, nesta quarta-feira, na capital amazonense para participar da abertura da 1ª Feira de Sustentabilidade do Polo Industrial de Manaus. Iniciativa da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e do Instituto de Inteligência Socioambiental Estratégica da Amazônia (Piatam), o objetivo do evento é mostrar a importância do polo para o desenvolvimento sustentável da floresta amazônica.

O evento vai até sexta (29) e conta com 130 stands para visitação, além de uma programação de palestras nas áreas de economia, negócios e sustentabilidade. A expectativa dos organizadores é atrair cerca de 40 mil pessoas nos três dias de feira.

Durante seu discurso, Bolsonaro voltou a citar a “cobiça” de países estrangeiros nas riquezas da região. “Estamos aqui no pedaço de terra mais rico do mundo em minerais, biodiversidade, água potável, grandes áreas e a cobiça existe sobre essa região e nós devemos nos preocupar com isso”, disse. “E a Zona Franca de Manaus veio exatamente para mostrar que a Amazônia é nossa, para integrá-la ao resto do nosso país”.

Leia também: 6 vezes em que nomes ligados a Bolsonaro fizeram referência à ditadura

O presidente também defendeu novamente a abertura de áreas indígenas para a produção agrícola e a exploração mineral. “Quantos dentre vocês aqui são descendentes de índios, porque reservar-lhes os espeço dentro de uma terra onde você não possa fazer nada sobre ela? Eu quero, no que depender de mim e do nosso parlamento, nós queremos o índio fazendo dentro da sua terra exatamente o que o fazendeiro faz ao lado, possa inclusive garimpar”, disse Bolsonaro.

Por diversas vezes, o presidente já afirmou que o governo prepara um projeto para legalizar o garimpo no país, inclusive em terras indígenas. O Artigo 231 da Constituição Federal condiciona atividades minerais no território indígena à prévia autorização do Congresso Nacional e à concordância da população indígena que vive no território. Pela Constituição, as reservas tradicionais demarcadas são de “usufruto exclusivo” dos indígenas, incluindo as riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes.

Depois da cerimônia, Bolsonaro embarcou para Altamira, no Pará, onde participa da cerimônia de inauguração da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários