Tamanho do texto

Jeanine Áñez ainda não definiu data para as novas eleições, mas afirmou que governo está ciente da urgência da realização de nova votação no país latino

Agência Brasil

mulher loira arrow-options
Reprodução BBC
Jeanine Áñez

A autoproclamada presidente da Bolívia, Jeanine Áñez, afirmou domingo (17) que, em breve, anunciará a convocação de novas eleições. A Bolívia enfrenta quase um mês de manifestações nas ruas. Por causa dos conflitos, 23 pessoas morreram. Em La Paz, em razão do bloqueio de estradas está havendo escassez de alimentos e combustíveis.

Sem definir data, Áñez disse que seu governo está ciente da urgência de realização de novas eleições no país. Os presidentes da Câmara e do Senado convocaram sessão para esta segunda no intuito de dar início ao processo eleitoral. Existe a possibilidade de convocação de eleições por decreto, caso as negociações no legislativo não avançem.

Leia também: Morales denuncia crimes contra humanidade na Bolívia: "não devem ficar impunes" 

"Informamos que em breve daremos notícias sobre a convocação de eleições transparentes e a recuperação da credibilidade democrática de nosso país", afirmou Áñez .

Há uma tentativa de diálogo no país, inclusive com o apoio da União Europeia, mas ainda sem resultados concretos. Prosseguem os conflitos nas ruas entre os apoiadores de Evo Morales e os opositores do ex-presidente. Enquanto Morales acusa o atual governo de cometer crimes contra a humanidade, Jeanine Áñez afirma que Morales está incentivando o ódio.

Leia também: Novo governo da Bolívia rompe relações com a Venezuela e expulsa diplomatas 

"Se o presidente Morales [quer] voltar [à Bolívia], que volte, mas ele sabe também que terá que responder à Justiça. Vamos exigir que a justiça boliviana faça seu trabalho, não faça uma perseguição política, pois isso é o que viemos sofrendo nos últimos 14 anos, a judicialização da política ou a politização da justiça", afirmou Áñez.

Evo Morales afirmou no twitter que o atual governo instalou uma ditadura. "Em vez de pacificação, ordenam difamação e repressão contra os irmãos do campo que denunciam o golpe de estado. Após o massacre de 24 indígenas, eles agora preparam um Estado de Sítio. Seria a confirmação de que, pedindo democracia, eles instalaram uma ditadura", disse.

Diálogo

O representante da União Europeia na Bolívia, León de la Torre, afirmou em encontro que teve ontem (17) com Áñez, que a UE está disposta a apoiar a realização de novas eleições , inclusive com o envio de observadores para garantir a transparência do processo. Além disso, ele alertou que "cada morte dificulta a paz".

“Cada morte é uma desgraça, complica as coisas, é preciso ser claro. É por isso que fizemos um chamado desde Bruxelas pedindo a todos para que não exerçam a violência , [e sim] o debate democrático, com troca de ideias”, afirmou De la Torre.