Tamanho do texto

Oficiais disseram que não vão mais reprimir manifestações que pedem que o presidente renuncie e que vão "estar com o povo, não com generais"

Policiais com bandeira da Bolívia arrow-options
Reprodução/Twitter
Policiais deixaram postos para ficar "ao lado do povo"

Policiais encarregados da segurança do palácio presidencial da Bolívia abandonaram o governo de Evo Morales neste sábado (9) e disseram que não vão mais reprimir manifestantes que pedem a renúncia do presidente do cargo. Ao todo, foram três unidades que se rebelaram: de Cochabamba (centro), Sucre (sudeste) e Santa Cruz (leste do pais).

A revolta teve início em Cochabamba, quando um policial com o rosto coberto anunciou, no Quartel-General da Unidade Tática de Operações (Utop) que eles estavam "amotinados". "Vamos estar com o povo, não com os generais", afirmou outro oficial.

Leia também: Helicóptero com Evo Morales a bordo cai segundos após decolar; assista

O recente processo eleitoral que reelegeu Evo Morales foi cercado de polêmicas. O sistema de contagem rápida de votos do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia antecipou um segundo turno entre Morales e Mesa na noite das eleições, no dia 20 de outubro.

Leia também: OEA inicia auditoria do resultado da eleição na Bolívia

No entanto, após a temporária suspensão das apurações, que suscitou suspeitas e reclamações, o TSE anunciou uma mudança de tendência e finalmente declarou a vitória de Morales no primeiro turno com 47,08% dos votos, contra 36,51% de Mesa. A lei boliviana atribui a vitória no primeiro turno com mais de 50% dos votos ou com 40% e uma vantagem de 10 pontos percentuais sobre o segundo.