Tamanho do texto

Maioria dos ferimentos foi causada por balas de borracha disparadas a curtas distâncias; até agora mais de 1.300 já foram atendidos em hospitais

Manifestantes na rua arrow-options
iG Imagem
Manifestantes voltaram às ruas do Chile

A violência contra os manifestantes no Chile deixou 146 pessoas com ferimentos nos olhos . Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Direitos Humanos do Chile, 1.305 pessoas foram atendidas em hospitais até as 23 horas do dia 31 de outubro. Os protestos começaram no dia 18 de outubro.

De acordo com a unidade de oftalmologia do Hospital Salvador , pelo menos 26 pessoas ficaram cegas devido a ferimentos sofridos nas manifestações. Várias outras também correm o risco de perder a visão.

Leia também: Procuradoria investiga 23 mortes durante protestos no Chile

Para os médicos, os números são altos e incomuns mesmo quando a repressão aos protestos é grande. Os ferimentos são causados principalmente por balas de borracha disparadas de distâncias muito curtas.

Por conta desses números, o diretor do Instituto Nacional de Direitos Humanos (NHRI) Sergio Micco fez um pedido nesta sexta-feira (1º) para que o governo solicite perícia internacional nos armamentos usados pela polícia para o controle da ordem pública durante as manifestações.

Leia também: Ministro do Chile admite possível violação de direitos em protestos

“O mais responsável é pedir uma opinião de especialistas internacionais sobre a composição dos objetos que são disparados, sejam eles projéteis, balas de borracha ou metal; e conhecer a composição, potência, pressão e quantidade de pólvora das bombas de gás lacrimogêneo”, disse Micco.