Trump sugeriu atirar nas pernas de imigrantes e colocar jacarés na fronteira, diz NYT
Divulgação/Official White House/Shealah Craighead
Trump sugeriu atirar nas pernas de imigrantes e colocar jacarés na fronteira, diz NYT

Numa reunião em março, no Salão Oval, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu alternativas para conter a imigração através da fronteira que deixaram assessores
atônitos. Muro eletrificado, um fosso com jacarés e até disparos contra as pernas de imigrantes foram algumas das sugestões do presidente americano, diz o New York Times .

Leia também: Trump chama de 'golpe' investigação em processo de impeachment

Um artigo adaptado do livro "Border Wars: Inside Trump’s Assault on Immigration" (Guerras de fronteiras: por dentro do ataque de Trump à imigração, em tradução livre), dos jornalistas Michael D. Shear e Julie Hirschfeld Davis, publicado na noite de terça-feira (1º), reconta aquela semana de março com base em relatos de funcionários da Casa Branca protegidos pelo anonimato.

Trump estava irritado, diz o artigo baseado no livro que deve ser lançado no próximo dia 8, e a reunião que deveria durar 30 minutos se estendeu por duas horas, enquanto sua equipe tentava desesperadamente acalmá-lo.

Inicialmente, ele ordenou que fechassem toda a fronteira de 3 mil quilômetros com o México até o meio-dia do dia seguinte, de acordo com um trecho transcrito. Os assessores temiam que a ordem do presidente prendesse turistas americanos no México, retivesse crianças em escolas de ambos os lados da fronteira e criasse um colapso econômico nos dois países. No entanto, eles também sabiam o quanto o objetivo do presidente em deter a imigração o levou a buscar soluções, uma mais extrema que a outra.

"Em particular, o presidente chegou a falar em reforçar a barreira na fronteira com um fosso cheio de água, com cobras ou jacarés, pedindo uma estimativa de custos. Ele queria um muro eletrificado, com espetos no topo que pudessem perfurar a carne humana. Depois de sugerir que soldados atirassem nos imigrantes se eles atirassem pedras, o presidente recuou quando sua equipe lhe disse que isso era ilegal", conta o jornal. "Mais tarde, porém, em uma reunião, lembraram assessores, ele sugeriu que atirassem nas pernas dos imigrantes para atrasá-los. Isso também não é permitido, disseram a ele."

"O presidente ficou frustrado e acho que ele aproveitou aquele momento para apertar o botão de reset", disse Thomas D. Homan, que atuou como diretor interino de Imigração e
Fiscalização Aduaneira de Trump, lembrando aquela semana de março, de acordo com o artigo. "O presidente queria que o problema fosse resolvido rapidamente."

Você viu?

Leia também: Em gravação, assassinos de jornalista saudita brincam antes de esquartejá-lo

"A ordem de Trump de fechar a fronteira foi um ponto crítico que desencadeou uma semana frenética de fúria presidencial, pânico permanente dos funcionários e muito mais turbulência na Casa Branca do que se sabia na época, descreve o jornal. No final da semana, o presidente desistiu da ameaça, mas revidou com o início de um expurgo dos assessores que tentaram contê-lo", diz outra parte. Uma das pessoas que acabaram demitidas seria Kirstjen Nielsen, secretária de Segurança Interna.

Baseado em entrevistas

O livro é baseado em entrevistas com mais de uma dúzia de funcionários da Casa Branca e do governo diretamente envolvidos nos eventos daquela semana de março. Eles permaneceram
em anonimato para descrever conversas confidenciais com o presidente e altos funcionários do governo.

"Vocês estão me fazendo parecer um idiota", teria gritado o presidente segundo vários relatos contidos no artigo.

A repressão à migração ilegal é uma das promessas de campanha de Trump, que em fevereiro declarou estado de emergência na fronteira com o México para liberar fundos federais. Em
junho, ele assinou um acordo de 90 dias com o país vizinho, com o objetivo de reduzir o fluxo de migrantes que entram nos EUA. No mês passado, o governo mexicano informou que
reduziu o número de migrantes sem documentos que cruzam a fronteira com os EUA em 56% desde maio.

Leia também: Coreia do Norte e EUA retomarão negociações no dia 5

Nos ultimos meses, o presidente americano conseguiu ainda fechar acordo com El Salvador, Honduras e Guatemala para que esses países recebam imigrantes que chegam à fronteira dos
EUA. Com isso, o governo de Donald Trump conseguiu com que todos os países do chamado Triângulo Norte da América Central, uma das regiões mais violentas do mundo, se tornem um
“terceiro país seguro” — o que implica que eles precisam abrigar imigrantes de outras nacionalidades que peçam asilo aos Estados Unidos. Em abril deste ano, o governo americano
já havia anunciado um corte de US$ 500 milhões em fundos destinados ao Triângulo Norte.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários