Tamanho do texto

Sylvestre Mudacumura, que participou do genocídio em Ruanda, era procurado pelo Tribunal Penal Internacional e acusado de crimes de guerra

Comandante de milícia Hutu%2C Sylvestre Mudacumura arrow-options
Reprodução
Comandante de milícia Hutu, Sylvestre Mudacumura é morto na República Democrática do Congo

O governo da República Democrática do Congo anunciou a morte do comandante de uma milícia Hutu , Sylvestre Mudacumura, procurado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra cometidos em um conflito no Congo e que participou ativamente do genocídio em Ruanda , em 1994.

Leia também: Número de imigrantes no mundo chega a 272 milhões, aponta relatório da ONU

Sylvestre Mudacumura liderava a milícia autointitulada Forças Democráticas pela Liberação de Ruanda (FDLR, sigla em francês), formada por outros militares que fugiram de Ruanda
após o genocídio, justamente para evitar serem alvo de processos em cortes locais e internacionais. Criado em 2000, o grupo se estabeleceu no leste do Congo , inicialmente com o
apoio do então presidente Laurént Kabila, realizando ataques regulares contra forças Tutsis rivais, até mesmo no território de Ruanda.

Além disso, a milícia realiza ataques regulares contra as populações da região, sendo acusada de milhares de homicídios, estupros, mutilações e sequestro de crianças, especialmente entre 2009 e 2010. Essas denúncias foram a base para a acusação contra Sylvestre no Tribunal de Haia.

Segundo um porta-voz do exército do Congo, ele foi morto na província de Kivu do Norte, uma das principais áreas de atuação de milícias armadas no país.

Leia também: Discurso de Bolsonaro é vetado de cúpula do clima da ONU

Para o chanceler de Ruanda , que disse ainda não ter confirmado pessoalmente a morte de Sylvestre, essa é uma “boa notícia” para a paz e segurança na região.

"A FDLR é um movimento genocida que desestabiliza a região há mais de 25 anos e nós notamos um comprometimento renovado e decisivo dos militares do Congo para neutralizar o
grupo", afirmou Olivier Nduhungireh.

A morte de Sylvestre também pode ser considerada mais um golpe contra a milícia, que chegou a ter mais de 20 mil integrantes, mas hoje teria cerca de 3 mil combatentes. Muitos
dos seus comandantes foram presos ou mortos, diminuindo a capacidade de ação do grupo. Mesmo assim, permanecem ativos em algumas áreas específicas, perto da fronteira com
Ruanda.

Leia também: Maduro diz estar disposto a retomar diálogo com Juan Guaidó

Para o governo da República Democrática do Congo , a morte de Sylvestre também deve pressionar outros líderes da milícia a se entregarem e serem repatriados para Ruanda, onde
devem enfrentar a justiça. Assim como o comandante das Forças Democráticas pela Liberação de Ruanda, muitos também participaram do genocídio de 1994, que deixou 1 milhão de
mortos em questão de meses.