Boris Johnson
Reprodução/Twitter
Boris Johnson

A demanda do primeiro-ministro Boris Johnson de que a União Europeia renegocie o acordo do Brexit foi rejeitada na terça-feira pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, alegando que o premier não apresentou nenhuma "alternativa realista" para a questão da fronteira irlandesa, uma das mais polêmicas do divórcio britânico. Horas após a postagem do presidente da Comissão Europeia, o governo britânico anunciou que irá diminuir sua presença em reuniões da UE pela metade, para que possam focar no Brexit.

Leia também: Sob pressão da extrema-direita, primeiro-ministro da Itália renuncia ao cargo

Em uma carta de quatro páginas enviada na segunda-feira para Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, Johnson afirmou que "sua maior prioridade" era sair do bloco com um acordo de transição, prometendo "energia e determinação" para negociar novos termos para o Brexit . O premier, contudo, também ressaltou que não pretende ceder em um ponto fundamental do impasse: o backstop irlandês, mecanismo que evitaria a imposição de controles alfandegários entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda .

Os termos negociados por Theresa May, que renunciou após falhar em aprovar o acordo no Parlamento em três ocasiões diferentes, e pela União Europeia durante 17 meses determinam a criação do backstop , mecanismo que evitaria a imposição de controles alfandegários entre aIrlanda do Norte e a República da Irlanda . Assim, Londres se manteria em uma união aduaneira com a UE até 2021, quando seria negociada uma solução definitiva — algo que o atual primeiro-ministro disse considerar "antidemocrático" por "prender o Reino Unido, potencialmente sem prazo definido" ao tratado alfandegário.

"Eu proponho que o backstop seja substituído com um compromisso para estabelecer acordos alternativos o mais rápido possível antes do fim do período de transição, como parte de nosso futuro relacionamento", escreveu Johnson, sem fornecer maiores detalhes.

Sem alternativas realistas

Em resposta, o presidente da Comissão Europeia, que se nega a acatar as demandas de Johnson de renegociar os termos acordados com May, disse que o premier britânico não apresentou "alternativas realistas" para o impasse:

Você viu?

"Aqueles contrários ao backstop e que não estão propondo alternativas realistas estão, na verdade, apoiando o restabelecimento de uma fronteira, mesmo que eles não admitam isto", tuitou Tusk.

A chanceler alemã Angela Merkel, por sua vez, foi um pouco menos dura, afirmando que o bloco consideraria "soluções práticas", mas que o acordo de transição não precisa ser alterado.

A libra, sensível ao prospecto de um divórcio sem acordo de transição, chegou perto de atingir seu menor valor em três anos, mas recuperou parte das perdas após os comentários de Merkel.

Leia também: Bilionário pedófilo assinou testamento dois dias antes de morrer

Tusk não foi o único que criticou a carta de Johnson, que promete garantir o divórcio, com ou sem acordo de transição, no dia 31 de outubro. Um funcionário sênior do bloco europeu disse ao Financial Times estar "abismado" com seu conteúdo, afirmando que a carta não continha quaisquer soluções legais para lidar com as "circunstâncias únicas" na fronteira da Irlanda. Ao mesmo jornal, um deputado conservador disse que o recado de Johnson era "um lixo completo":

"É feito para dizer "olha, eu tentei" e, então, sair sem um acordo. Ele pega uma coisa certa [o backstop] e o transforma em algo incerto", disse o legislador. "É tentar criar um jogo de culpa, o que não vai durar."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários