Tamanho do texto

Polícia Judiciária do país, responsável pela apreensão da droga e pelas prisões, contou com a cooperação da Polícia Federal brasileira na operação

Cocaína arrow-options
Divulgação
Polícia de Cabo Verde apreendeu 2,2 toneladas de cocaína com cinco brasileiros

Cinco brasileiros foram presos no sábado em Cabo Verde, na África, em uma embarcação na qual transportavam mais de duas toneladas de cocaína. A Polícia Judiciária do país, responsável pela apreensão da droga e pelas prisões, contou com a cooperação da Polícia Federal (PF) brasileira na operação.

Leia também: Trump relaciona ideologia da supremacia branca a massacres pela 1ª vez

De acordo com informe divulgado pela corporação do arquipélago, o barco em que os cinco homens estava foi batizado de Perpétuo Socorro de Abaeté II. A quantia exatada de cocaína transportada era de 2.256,27 quilos, o equivalente a 2,2 toneladas.

Também atuaram na operação a Guarda Costeira de Cabo Verde, a Polícia Nacional do país e a Maritime Analysis and Operations Centre – Narcotics (Maoc-N), que tem sede em Lisboa. O Escritório das Nações Unidas contra a Droga e Crime (ONUDC) reconhece que o local integra a rota da cocaína até países da Europa, o que explica o esforço das autoridades cabo-verdianas para coibir o tráfico.

No reforço do combate ao transporte da droga pelo país, a polícia de Cabo Verde prendeu outros três brasileiros por transporte de cocaína em agosto de 2017. Os baianos Daniel Dantas e Rodrigo Dantas e o gaúcho Daniel Guerra estavam em um veleiro que transportava mais de uma tonelada de cocaína no casco. Eles alegaram inocência.

Leia também: Mais de 900 crianças imigrantes foram separadas dos pais nos EUA em um ano

O trio chegou a ser condenado a 10 anos de prisão no país, por tráfico internacional de drogas mesmo depois de um inquérito da PF os declarar inocentes. Após esforços do Ministério das Relações Exteriores, a sentença foi anulada e os três voltaram ao Brasil em fevereiro deste ano, 18 meses após a prisão, enquanto aguardam um novo julgamento em Cabo Verde.